Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Opinião
José M. Brandão de Brito 22 de Julho de 2015 às 19:40

O acordo possível

Faria algum sentido efetuar um perdão de dívida para, ato contínuo, voltar a emprestar dinheiro a um país com um modelo económico inadequado e indisponível para o reformar?

  • Assine já 1€/1 mês
  • 1
  • ...

A FRASE...

 

"Até agora vi reações, li tiradas heroicas, mas não ouvi qualquer proposta alternativa", Alexis

 

Tsipras, Reuters, 21 de julho de 2015

 

A ANÁLISE...

 

Chantagem, capitulação, humilhação – são alguns dos qualificativos que se ouvem a propósito do acordo celebrado entre o governo grego e as "Instituições". Muitos afirmam que com esta atitude a Europa feriu de morte o projeto semicentenário que a trouxe do pós-guerra com paz e prosperidade. Mas quais as alternativas?

 

1. "Solidariedade": abolir a austeridade, reduzir a dívida grega e continuar a financiar um país com lacunas indisfarçáveis de eficiência e competitividade. Mesmo admitindo que os eleitorados dos países credores condescenderiam – premissa de muito duvidosa validade – faria algum sentido efetuar um perdão de dívida para, ato contínuo, voltar a emprestar dinheiro a um país com um modelo económico inadequado e indisponível para o reformar?

 

2. "Grexit": restabelecimento do dracma, com a concomitante implosão do sistema bancário, o incumprimento substancial na dívida do setor público e privado e o caos económico, financeiro e jurídico que se seguiria. Além disso, e não sem uma ponta de ironia, a Grécia seria obrigada a praticar austeridade além do imposto no acordo com as "Instituições", dada a impossibilidade de acesso a financiamento externo. Os inevitavelmente grotescos custos sociais desta alternativa no curto prazo foram a razão pela qual o governo grego optou pelo armistício negocial com os credores.

 

A inviabilidade de 1 e 2 fizeram do acordo a única alternativa viável – para já. Com sorte, pode ser que a tão adiada restruturação da economia grega traga na sua esteira a recuperação que já brindou os demais países da "periferia". Se assim for, a Grécia ganha e a credibilidade do projeto europeu sai reforçada. Será um cenário assim tão estapafúrdio?

 

Este artigo está em conformidade com o novo Acordo Ortográfico

 

Este artigo de opinião integra A Mão Visível - Observações sobre as consequências directas e indirectas das políticas para todos os sectores da sociedade e dos efeitos a médio e longo prazo por oposição às realizadas sobre os efeitos imediatos e dirigidas apenas para certos grupos da sociedade.

maovisivel@gmail.com

Ver comentários
Mais artigos do Autor
Ver mais
Outras Notícias