Luís Todo Bom
Luís Todo Bom 02 de abril de 2018 às 20:40

A engenharia e gestão industrial na indústria 4.0

Pela engenharia, seremos capazes de compreender e actuar nos domínios da física e da química, interiorizar as tecnologias associadas e utilizar a base matemática adquirida na utilização de algoritmos complexos.

Participei, recentemente, num seminário organizado pelo Núcleo de Estudantes de Engenharia e Gestão Industrial do Instituto Superior Técnico, no Taguspark, sobre as perspectivas de futuro da engenharia e gestão industrial.

 

As reflexões que considero mais relevantes para essa análise contemplam a avaliação das potencialidades deste universo de conhecimentos na sua inter-relação com as alterações tecnológicas que advirão com a indústria 4.0.

 

A engenharia e gestão industrial apresenta, neste âmbito de análise, desde logo, uma vantagem clara: integra as componentes de engenharia com as de gestão.

 

Pela engenharia, seremos capazes de compreender e actuar nos domínios da física e da química, interiorizar as tecnologias associadas e utilizar a base matemática adquirida na utilização de algoritmos complexos.

 

No âmbito da gestão aprendemos a conviver com processos de decisão suportados em bases de dados cada vez mais complexas e sofisticadas e adoptar os algoritmos de tomada de decisão mais adequados.

 

A importância das várias áreas de gestão nas empresas, modernas e globalmente competitivas, tem evoluído ao longo do tempo.

 

A supremacia da função financeira, vigente em meados do século XX foi substituída pela função marketing no final desse século.

 

No início do actual século XXI, assistimos à preponderância da função sistemas de informação e, no momento actual, à atenção prioritária atribuída à inovação e ao desenvolvimento tecnológico.

 

A indústria 4.0, que trata dos sistemas ciberfísicos, suportados em "big data", a internet das coisas, o "cloud computing", sensores inteligentes, inteligência artificial e a digitalização de processos, vem criar um novo ecossistema de funcionamento das organizações.

 

Vimos assistindo, neste movimento disruptivo, a uma evolução da prevalência da inovação nos produtos para uma inovação nos processos e no posicionamento, situação em que a conjugação dos conhecimentos de engenharia e de gestão se tornam uma mais-valia clara para as empresas.

 

Verificámos, ainda, uma maior atenção e importância estratégica à função logística e de operações e ao desenvolvimento de parcerias e redes empresariais, de partilha de conhecimento, nos domínios da inovação, das tecnologias e dos novos mercados.

 

A envolvente das organizações, nesta nova realidade, também se alterou, com a análise estratégica aplicada a meios envolventes mais alargados - cidades e regiões, inteligentes e sustentáveis, em termos económicos, sociais e ambientais.

 

Os novos paradigmas, nas áreas da energia, saúde e mobilidade, apresentarão, também, novos desafios que exigirão conhecimentos integrados de engenharia, tecnologia e gestão.

 

Como afirmei, ao núcleo de alunos do Técnico que me convidaram para participar neste encontro, este seria o curso que eu escolheria se entrasse agora para a universidade.

 

Porque o futuro, com os conhecimentos que aí adquiriria, seria um desafio aliciante, para viver e vencer.

 

Gestor de Empresas

pub