Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Opinião
Carlos Albuquerque 08 de Outubro de 2013 às 00:01

Ilusionismo monetário

Num mundo de elevada inflação, não haveria problema na amortização das dívidas, na moeda própria. Mas, na situação actual, a questão é mesmo real e não há ilusão que lhe valha.

  • Assine já 1€/1 mês
  • 2
  • ...

A FRASE…

 

"A dúvida maior que, neste momento, paira sobre o nosso país, é saber se o Estado português conseguirá, ou não, solver os seus compromissos de ordem financeira (pagamento de dívidas contraídas no passado) no próximo ano."

Daniel Bessa, Expresso, 5 de Outubro de 2013

 

A ANÁLISE…

 

Não se fala em inflação. O nível de preços está estabilizado e acredita-se que viveremos sob baixas taxas de inflação no futuro próximo.

A inflação é aliada dos modelos económicos menos disciplinados, pois produz um conjunto de efeitos correctivos (e perversos), sem exposição directa do decisor. A inflação, desvaloriza as dívidas, em desfavor dos credores. Desvaloriza os salários reais e as prestações sociais, mesmo aumentando os valores nominais. Faz subir os impostos pela acção dos preços e rendimentos. Mantém rácios de endividamento, mesmo aumentando as dívidas. Com inflação, não existem entraves constitucionais às perdas reais de direitos, pois o que releva parece ser a ilusão do valor nominal. A ficção monetária toma conta da realidade e a realidade dilui-se nas mensagens confusas do ilusionismo financeiro.

Com baixa inflação, as dívidas só se reduzem, reestruturando. Os salários, baixando o seu valor nominal. As prestações sociais, corrigindo os seus montantes. Os impostos sobem, alargando a tributação individual e colectiva. Os rácios de endividamento evoluem no sentido do volume das dívidas. As normas constitucionais tornam-se mais limitativas, pois a ilusão deixa de se confundir com a realidade.

Num mundo de elevada inflação, não haveria problema na amortização das dívidas, na moeda própria. Mas, na situação actual, a questão é mesmo real e não há ilusão que lhe valha. Por muito que isso custe. E por muito que desagrade a quem quer sair do Euro.

Este artigo de opinião integra A Mão Visível - Observações sobre as consequências directas e indirectas das políticas para todos os sectores da sociedade e dos efeitos a médio e longo prazo por oposição às realizadas sobre os efeitos imediatos e dirigidas apenas para certos grupos da sociedade.

maovisivel@gmail.com



Ver comentários
Mais artigos do Autor
Ver mais
Mais lidas
Outras Notícias