Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Opinião
Paulo Carmona 13 de Agosto de 2020 às 13:00

Onde estão os incentivos?

O Governo PS, com apoio formal e orçamental do BE e PCP, aprovou a venda a um fundo “sucateiro” com práticas necrófagas, normais para ele e legais, com licença para gastar até 3,9 mil milhões. Vamos lá todos abafar este caso e fingirmo-nos todos ofendidos.

  • Assine já 1€/1 mês
  • 2
  • ...

A FRASE...

 

"E (Sérgio Monteiro) esclareceu que o Fundo de Resolução poderá contratar uma equipa para gerir a venda de ativos que ficam no mecanismo ou delegar numa entidade essa competência." 

 

Expresso, 23 de maio de 2017

A ANÁLISE...

 

31 de março de 2017, António Costa ladeado por Mário Centeno dá uma conferência de imprensa a manifestar-se confiante na solução encontrada de venda ao fundo Lone Star. Foi com esta comunicação que se encerrou um dossiê que durava desde 2014, desde uma resolução bancária do antigo Banco Espírito Santo, imposta pela UE num modelo que não voltou a repetir, depois de o governo de Passos Coelho ter negado o apoio da CGD ao BES. A Lone Star é considerada uma gestora de "fundos-abutres", ou "sucateiros", que investe maioritariamente em ativos, dívida ou empresas, complicados ou em stress. Desmantela os ativos, ou parte deles, geralmente vendendo-os a outros fundos "sucateiros".

 

Esperar que a Lone Star se comportasse de forma diferente no Novo Banco seria uma ingenuidade, e nem António Costa ou Centeno são ingénuos, nem mal informados. Se a isso juntarmos um livro de cheques em branco no valor de 3,9 mil milhões de euros, do chamado Mecanismo de Capital Contingente MCC, para eventuais imparidades em vendas, temos um convite a que o NB o fosse gastar todo na limpeza, eventualmente com a ajuda de outros fundos "amigos", dentro do que é a sua prática normal. Este mau regime de incentivos, sancionado por Costa e Centeno, permite que se façam más vendas de ativos porque as perdas são para o MCC cobrir, até o limite considerado, não afetando o banco ou o acionista maioritário. E uma venda a desconto, suspeita para alguns, pode ser uma excelente venda, ao melhor preço possível, ou uma venda incompetente, nunca se poderá saber em concreto para ativos deste tipo. Dolo ou conluio é que dificilmente se conseguirá provar. Resta a fé na ética e nas boas práticas da gestão. Certo que a auditoria dirá isso mesmo e de qualquer forma, se o Fundo de Resolução aprovou as vendas dos ativos, é um negócio simples entre privados em que o Estado e a falsa indignação política não têm lugar face aos contornos da venda.

 

Resumindo, o Governo PS, com apoio formal e orçamental do BE e PCP, aprovou a venda a um fundo "sucateiro" com práticas necrófagas, normais para ele e legais, com licença para gastar até 3,9 mil milhões. Vamos lá todos abafar este caso e fingirmo-nos todos ofendidos. Alguém em 2046 que pague e limpe…

 

Este artigo de opinião integra A Mão Visível - Observações sobre as consequências diretas e indiretas das políticas para todos os setores da sociedade e dos efeitos a médio e longo prazo por oposição às realizadas sobre os efeitos imediatos e dirigidas apenas para certos grupos da sociedade.

maovisivel@gmail.com

Ver comentários
Mais artigos do Autor
Ver mais
Outras Notícias