Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Opinião
Paulo Querido paulo@querido.pt 03 de Maio de 2013 às 00:01

Baixar o juro é como abrir a janela de um descapotável

Tópicos – as palavras que fazem as notícias do mundo

  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

1. Baixar o juro é como abrir a janela de um descapotável 

O corte de 0,25 pontos percentuais levou a taxa de juro de referência do Banco Central Europeu para o seu mínimo histórico. O dinheiro na zona euro custa agora 0,5%. O objetivo do corte é, uma vez mais, tentar estimular a economia.

 

E segue a decisão da Reserva Federal americana, que na véspera manteve o QE3, o programa de auxílio económico - adiantando que está preparada para aumentar o limite mensal da compra de obrigações, atualmente nos 85.000 milhões de dólares. Ou reduzir, se for esse o caso. Única diferença: enquanto Mario Draghi fez a vontade à maioria dos agentes económicos, Ben Bernanke tem o pulso mais firme.

 

A questão que subsiste é se a política económica do BCE ainda é capaz de produzir efeitos. «É como abrir as janelas de um descapotável que já vai com o teto aberto», para usar a feliz expressão de um comentador da BBC. Como o ar, pouco mais dinheiro entrará para a economia pela "janela" da taxa.

 

 

 

2. FACEBOOK

As receitas trimestrais da Facebook subiram 38%, batendo as estimativas de Wall Street. Já no que respeita aos lucros a história é diferente: cresceram apenas ligeiramente e falharam as previsões. A empresa ainda não aprendeu a maximizar os lucros?, interrogam-se os analistas. Talvez seja apenas cedo: continua a investir. Já não tanto em infraestrutura, mas muito em pessoal. Contratar talento informático na corrida contra a Google, a Microsoft e a Apple não custa barato.

 

 

 

3. PETER VOSER/MARK KING

Duas decisões surpreendentes. O diretor executivo da Shell anunciou ontem a sua reforma em 2014. Peter Voser tem apenas 54 anos e fora promovido a CEO em 2009. «É tempo de uma mudança no meu estilo de vida», disse apenas. Quem nada disse foi Mark King, que também anunciou de surpresa o abandono da divisão aeroespacial da Rolls Royce. King, ainda se entende: houve alegações de corrupção na sua promoção. Já a Shell até aumentou os lucros.

 

 

 

"Tópicos" é uma ferramenta do Negócios que faz pesquisa inteligente das notícias de economia mundiais. Consulte e saiba mais em www.negocios.pt

Ver comentários
Mais artigos do Autor
Ver mais
Outras Notícias