Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Opinião
Paulo Querido paulo@querido.pt 27 de Fevereiro de 2013 às 23:00

Obama adverte: cortes prejudicarão a saúde dos EUA

Tópicos - as palavras que fazem as notícias do mundo

  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

1. Obama adverte: cortes prejudicarão a saúde dos EUA

Como os anúncios sobre os malefícios do tabaco, Barack Obama adverte: os cortes nos gastos públicos dos Estados Unidos prejudicarão gravemente a saúde do país. E quiçá do mundo: há quem fique apavorado com a notícia de que o departamento de Defesa será dos mais afetados. É complicado imaginar o planeta com o poder militar dos Estados Unidos fragilizado.

 

Os cortes entram automaticamente em vigor amanhã, dia 1 de março, caso republicanos e democratas não cheguem a acordo sobre as questões do défice, adiado dramaticamente no último momento, corria o segundo dia deste ano. Os cortes tirarão seis décimas ao crescimento do PIB americano este ano.

 

Noutra altura, seria menos grave: a economia dos EUA mal regista crescimento e está ligada à máquina de fabricar dinheiro que é a Reserva Federal. Mais umas centenas de milhar de desempregados abrandarão o consumo, aumentarão a pressão sobre o governo federal e o risco social. É bom que se entendam.

  

 

 

2. Aer Lingus

E à terceira não foi de vez. A Comissão Europeia voltou a bloquear a compra da Aer Lingus, um negócio de 690 milhões de euros. A questão do monopólio em 46 rotas foi decisivo para a Comissão, que entende que a compradora, a Ryanair, não fez concessões suficientes. A Aer Lingus gostou: "a oferta da Ryanair nunca devia ter sido feita". O ministro dos transportes irlandês, Leo Varadkar, subscreve a Comissão. A Ryanair talvez recorra da decisão que reputou de "política".

 

 

 

3. Bento XVI

O Papa já se despediu dos fiéis. Bento XVI retira--se sem forças para dirigir uma orquestra desorientada. Ou pior, muito pior que isso. A sucessão de escândalos sexuais é apenas a face mais mediática da moeda do Vaticano. A outra face ainda está por descobrir: a teia de corrupção e intrigas financeiras que se estende pela organização. E, esta mais que a outra - dizem jornais como o La Repubblica -, empurrou Ratzinger para a sua surpreendente decisão.

 

 

 

"Tópicos" é uma ferramenta do Negócios que faz pesquisa inteligente das notícias de economia mundiais. Consulte e saiba mais em www.negocios.pt

Ver comentários
Saber mais opinião
Mais artigos do Autor
Ver mais
Outras Notícias