Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Opinião
Pedro Braz Teixeira pbteixeira3@gmail.com 18 de Junho de 2014 às 18:55

O fim do regime?

António Costa iniciou a sua candidatura à liderança do PS da pior forma possível.

  • Assine já 1€/1 mês
  • 4
  • ...

Começou por revelar uma estranha ignorância dos estatutos do PS e, muito pior do que isso, uma profunda inconsciência da sua ignorância. Pior do que políticos ignorantes, só mesmo políticos inconscientes desse facto, que dispensam os conselhos de quem sabe. É de esperar os maiores estragos deste tipo de políticos.

 

Em segundo lugar, aceitou participar num estranho processo eleitoral, não previsto nos estatutos, do qual não sairá, pelo menos directamente, um novo secretário-geral do PS. Muito mais grave do que isso, aceitou um longuíssimo período eleitoral, que tem todas as condições para denegrir ao máximo a imagem do PS junto do eleitorado.

 

Desenganem-se os que imaginam que só as eleições europeias são de protesto, porque as legislativas de 2015 têm todas as condições para maximizarem este tipo de voto. Não só o partido de Marinho Pinto tem - infelizmente - excelentes condições para melhorar imenso a sua expressão eleitoral, como há óptimas condições para a criação de novos partidos de protesto, que deverão castigar duramente os partidos do "sistema".

 

É altamente improvável que o PS consiga, no próximo ano, qualquer tipo de votação próxima da maioria absoluta, pelo que deverá ser forçado a coligar-se com, pelo menos, o PSD. O governo assim formado será geneticamente muito frágil, que o PSD poderá derrubar a qualquer momento.

 

Quando António Costa, como tudo indica, for o próximo primeiro-ministro de Portugal, existirão todas as condições para que seja uma "reprise" do filme de Hollande, "sem as actrizes", como diz Rui Ramos, com fortes probabilidades de transformar o PS num novo PASOK, reduzido a uma expressão eleitoral mínima.

 

O não reconhecimento dos graves erros do passado, a absoluta ausência de ideias concretas de António Costa, acompanhada da sua fantasia de propostas inconstitucionais perante o Tratado Orçamental, somada à pressão externa da troika, que deverá permanecer por largas décadas, deverão promover a maior contestação ao novo governo. Parece que agora se lembrou de uma "terceira via", a da "riqueza". Certamente que um dos primeiros actos do seu governo será decretar a descoberta de petróleo no Beato…

 

Costa deverá cair muito mais nas sondagens do que Hollande, porque há mais expectativas sobre ele e porque Portugal tem muito menos margem de manobra do que, apesar de tudo, a França tem.

 

O PSD só terá de escolher a melhor altura para provocar eleições antecipadas, para destruir, por completo, o PS. Mas também não se ficará a rir, porque o regime está demasiado podre. A debilidade física, e não só, de Cavaco Silva só agravará o quadro político de calamidade.

 

Estão reunidas (quase) todas as condições para o fim do regime. O que se seguirá é que é mais difícil de prever.

 

Nota: As opiniões expressas no texto são da exclusiva responsabilidade do autor

 

Investigador do Nova Finance Center, Nova School of Business and Economics

Ver comentários
Mais artigos do Autor
Ver mais
Outras Notícias