Pedro Fontes Falcão
Pedro Fontes Falcão 26 de fevereiro de 2019 às 19:43

Para continuarmos a crescer, precisamos de salários mais altos?

Os baixos salários em Portugal desincentivam a atração e retenção de talento no nosso país. Infelizmente, muitos jovens qualificados (e não só) emigram e não voltam.

Estando Portugal perto do pleno emprego, começa a escassear mão de obra em vários negócios. Por exemplo, o setor do turismo tem tido dificuldades em dinamizar ainda mais o seu crescimento por causa disso.

 

Contudo, a vinda para Portugal de novos investimentos nos setores das tecnologias e da engenharia, que é muito importante para qualquer economia pelo conhecimento e exportações gerados, começa a ter como sério obstáculo a falta de mão de obra qualificada.

 

Os baixos salários em Portugal desincentivam a atração e retenção de talento no nosso país. Infelizmente, muitos jovens qualificados (e não só) emigram e não voltam.

 

A nosso favor temos um menor custo de vida, mas não é suficiente para compensar os baixos salários. O estilo de vida é uma enorme vantagem, mas também não paga as despesas ao fim do mês. Noutra perspetiva, o baixo desemprego em vários países europeus diminui o número de oportunidades de emprego para os portugueses nesses nossos países "concorrentes", o que diminui o incentivo aos portugueses emigrarem.

 

Assim, para além da aposta numa maior formação dos portugueses (que é muito importante mas não gera resultados imediatos), só nos resta abrir o leque de escolhas de candidatos nos processos de recrutamento (pessoas mais velhas, se se aplicar; ou pessoas com formação diferente da tradicional - por exemplo, licenciados em arquitetura recrutados para empresas de sistemas de informação). Ou então, subir salários especialmente nas áreas que nos fazem mais falta. Isso serve para reter portugueses, mas também para atrair jovens estrangeiros competentes (para trabalhar nessas empresas que geram muito "valor acrescentado" à economia) e que, adicionalmente, nos podem ajudar a aumentar a baixa taxa de natalidade no nosso país.

 

Carlos Ribas, Presidente Executivo da Bosch Portugal, veio recentemente afirmá-lo, chegando a referir que até fica satisfeito por suportar esse aumento da despesa na sua empresa, pois precisamos muito de reter os talentos e as competências no nosso país para crescermos e exportarmos cada vez mais. Houvessem muitos mais a pensar assim nos setores com maior criação de valor acrescentado…

 

Gestor e Docente Universitário

pub

Marketing Automation certified by E-GOI