Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Opinião
Ulisses Pereira ulissespereira@hotmail.com 05 de Maio de 2020 às 15:49

As acções traem as palavras de Buffett

Se o carismático investidor estivesse tão optimista em termos de longo prazo, teria aproveitado esta oportunidade para colocar em acção os 137 mil milhões de euros que tem disponíveis.

  • Assine já 1€/1 mês
  • 23
  • ...

Comente aqui o artigo de Ulisses Pereira

"Olha para o que eu digo e não olhes para o que eu faço"

Provérbio popular

 

Warren Buffett é talvez o mais icónico investidor de todos os tempos. Poderia escrever vários artigos sobre ele e seriam sempre poucos em função daquilo que representa para os mercados. Este fim-de-semana teve lugar a sua habitual apresentação de resultados da Berkshire Hathaway, onde Buffett destacou o facto de ter vendido a sua participação em todas as companhias aéreas, reconhecendo o erro e assumindo as perdas.

Naturalmente que, na sessão de ontem, as empresas de aviação sofreram perdas fortes em reacção a estes comentários. Buffett não vendeu antes da crise, fê-lo durante estes meses de quedas violentas, reconhecendo que é um sector que ainda passará muitas dificuldades e que não quer estar exposto a ele. E convém não nos esquecermos que o mítico investidor norte-americano investe sempre numa perspectiva de longo prazo.

Além destes aspecto, a imprensa destacou claramente uma frase de Buffett: "Never bet against America", em que ele justifica que os Estados Unidos conseguem sempre superar situações de crise e que, no longo prazo, acaba por ser um erro contrariar essa capacidade de ressurreição da economia norte-americana. Eu não fiquei nada entusiasmado com essa frase, porque as palavras que lhe saíram da boca não estão de acordo com os seus movimentos no mercado.

A Berkshire Hathaway está sentada em cima de uma "pilha de dinheiro" há algum tempo. Em Janeiro tinha nos seus cofres o valor máximo da sua história, o que era um claro sinal de que Buffett não achava o mercado barato. E, no meio das quedas brutais que aconteceram durante a crise, praticamente não comprou nada. Se o carismático investidor estivesse tão optimista em termos de longo prazo, teria aproveitado esta oportunidade para colocar em acção os 137 mil milhões de euros que tem disponíveis.

Não foi por acaso que ganhou o epíteto de "Óraculo de Omaha", tal a capacidade de antecipação que lhe valeu ter aproveitado grandes crises para conseguir realizar compras a preço de saldo. Mas reparem na diferença entre o que escreveu em 2008, no meio da violenta crise financeira, com o que escreveu agora. Na altura, um mês depois da falência da Lehman Brothers, Buffett escreveu que "No curto prazo, o desemprego vai crescer, a actividade económica continuar a diminuir e os títulos dos jornais vão ser cada vez mais assustadores. É por isso que vou comprar". Hoje diz que "o dinheiro é rei". Diferenças bem claras de opinião, em que ele não vê actualmente as oportunidades de ouro que viu na crise financeira.

"Never bet against America", é uma frase que soa optimista e que Buffett sentiu que a devia usar para passar uma imagem de confiança ao seu país. Mas, na verdade, aquilo que ele tem feito nos mercados nos últimos meses mostra muito receio e muito pouca vontade de comprar a estes preços. Como sempre, é muito mais importante o que que as pessoas fazem do que aquilo que dizem. Porque, apesar de ir ficar para sempre na História dos mercados, Warren Buffett é humano.

 

 

Artigo escrito em 04/05/20 às 20h00

Fontes:  https://www.berkshirehathaway.com/

Ulisses Pereira não detém qualquer dos ativos analisados. Deve ser consultado o disclaimer integral aqui,onde também pode ser consultada a lista com as anteriores análises de Ulisses Pereira.

Artigo em conformidade com o antigo Acordo Ortográfico

Ver comentários
Mais artigos do Autor
Ver mais
Outras Notícias