Luís Marques Mendes
Luís Marques Mendes 04 de março de 2018 às 21:20

Marques Mendes: "É um erro enorme" PSD e CDS concorrerem sozinhos às eleições

As notas da semana de Marques Mendes nos seus comentários na SIC. O comentador fala sobre o crescimento da economia, o momento positivo de António Costa, o congresso do CDS, a reviravolta no Montepio e a Cimeira Portugal/Angola.

ECONOMIA A CRESCER

 

  1.      O INE divulgou esta semana os dados do crescimento da economia em 2017 (2,7%). O que há a dizer de mais importante?

a)     Primeiro: um excelente resultado. O melhor crescimento desde o ano 2000.

b)     Segundo: um crescimento saudável e sustentado, porque alicerçado no investimento e nas exportações.

c)      Terceiro: como dizia o Jornal de Negócios, numa síntese muito feliz, "Temos um Governo de esquerda que põe a economia a crescer com a receita da direita". Isto porque o modelo de crescimento fundado no investimento e nas exportações era o modelo de Passos Coelho e não o modelo prometido por António Costa.

d)     Quarto: para além do mérito dos portugueses, devemos agradecer à Europa esta onda de crescimento – é que não é só Portugal a crescer. É toda a União Europeia. E a maioria dos países da UE até cresce mais que Portugal.

 

  1.      Mesmo assim, se tivéssemos que atribuir um Óscar, eu diria que a economia portuguesa merece o Óscar do Melhor Filme em 2017. Não é um best seller mas é um filme de sucesso.

  

COSTA EM ALTA

 

  1.      Esta foi mais uma boa semana para António Costa. O PM está em alta.

a)     Está em alta na governação – Por causa dos bons resultados da economia e do emprego;

b)     Está em alta na luta política – Não tem uma oposição que lhe cause verdadeiras dores de cabeça;

c)      Está em alta em relação aos seus parceiros de coligação – Tem-nos controlados;

d)     Está em alta por causa dos acordos a fazer com o PSD – Vai ficar como o líder moderado que dialoga com todos, à esquerda e à direita;

e)     Está em alta porque o PSD e o CDS se preparam para lhe dar uma bênção eleitoral – irem em listas separadas às próximas eleições.

 

  1.      O PSD e o CDS deram esta semana o sinal de que concorrerão separados às eleições.
  •        Isto é um erro enorme. Desta forma, o PS tem as eleições ganhas. Só falta saber se tem maioria absoluta.
  •        Se fossem coligados, PSD e CDS poderiam ter, no mínimo, 40% dos votos e ter um élan para poderem tentar a maioria. Separados, dificilmente o PS perde o 1º lugar.
  •        Se fossem coligados, PSD e CDS teriam sempre, com os mesmos votos, mais deputados do que terão concorrendo separadamente – o sistema eleitoral beneficia os blocos maiores
  •        Como diz António Capucho, um especialista em leis eleitorais e apoiante de Rio, concorrer em separado é perder para o PS.
  •        Conclusão: decididamente, António Costa é um homem com sorte. Em noite de Óscares, justificava o Óscar de Melhor Actor Principal – une a geringonça; mete no bolso os seus parceiros; dialoga com todos; e beneficia do crescimento da economia apesar de pouco ter feito para isso.


O DEBATE NEGRÃO/COSTA

 

Esta semana houve dois momentos relevantes na relação do PSD com o Governo – o debate Costa/Negrão e o início do diálogo em matéria de fundos e descentralização.

  1.      Debate quinzenal – Foi o baptismo de Fernando Negrão.

a)     Na forma, o líder parlamentar do PSD não esteve brilhante. Tem um estilo civilizado e não trauliteiro. Mas falta-lhe acutilância e combatividade.

b)     No conteúdo, esteve bem. Surpreendeu ao escolher como tema forte a questão do Montepio (e em política surpresa é sempre positiva); colocou António Costa à defesa (o tema é incómodo para o Governo); e ainda ameaçou com um inquérito parlamentar se o negócio avançar.

 

  1.      Acordos Governo/PSD – Foi o pontapé de saída para o diálogo.

Apesar de muito criticado por esta relação de diálogo com o Governo, acho que por aí as críticas a Rui Rio são injustas:

a)     Primeiro, porque acordos PS/PSD em matéria de Fundos Estruturais e Descentralização não têm novidade. Já sucederam no passado.

b)     Segundo, porque são óbvios e naturais. A descentralização deve ser vista como uma questão de regime; e, quanto aos fundos, uma posição conjunta dos dois partidos dá mais força a Portugal para em Bruxelas negociar um novo envelope financeiro de 25 mil milhões de euros de Fundos para os próximos anos.

 

  1.      Problema central do PSD – Ausência de oposição

Posto isto, o problema central do PSD não está no Grupo Parlamentar nem nos acordos com o Governo. Está, sim, na falta de oposição ao Governo.

a)     Rio já foi eleito há quase dois meses. Quase dois meses depois, o PSD continua sem fazer oposição: não há uma agenda de oposição; uma iniciativa de oposição; uma causa de oposição ao Governo. A ausência do PSD no debate nacional sobre a saúde é paradigmático.

b)     Depois do Congresso, o PSD devia estar virado para fora. Afinal, está virado para dentro. Devia estar politicamente ao ataque. Está à defesa e a discutir mercearia política.

c)      E isto tem 3 riscos fortes:

  •        O risco de divisão interna (só com acção se faz a unidade);
  •        O risco de perder para o CDS a liderança da oposição;
  •        O risco de o PSD ficar eleitoralmente ensanduichado – perder votos à direita para o CDS e ao centro para o PS.

d)     Em matéria de Óscares, o PSD só merecia o Óscar dos Efeitos Especiais – É Elina Fraga; é a guerra com os deputados; ping-pong das críticas internas. Não dá votos mas gera efeito especial.

 

  

O CONGRESSO DO CDS

 

  1.      O Congresso do CDS do próximo fim de semana surge num dos melhores momentos de sempre do partido:

a)     O CDS não sofreu tanto quanto o PSD o desgaste de ter estado no Governo;

b)     O CDS ultrapassou com mais facilidade do que se pensava a saída de Portas;

c)      O CDS está unido e motivado;

d)     O CDS sente que tem espaço para crescer.

 

  1.      Assunção Cristas tem um grande mérito neste balanço.

a)     Teve um acto de coragem que lhe rendeu votos e prestígio – a candidatura a Lisboa. Ganhou estatuto.

b)     Tem uma imagem que só joga a seu favor – imagem de simpatia, ambição e capacidade de trabalho.

c)      Não tem anti-corpos no PSD, o que lhe permite conquistar votos no PSD com mais facilidade do que sucedia com Paulo Portas.

d)     Há 2 anos era considerada uma líder de transição. Dois anos depois, está consagrada como líder.

 

  1.      O que vai ser o Congresso? Sem nunca falar no PSD, vai ser um Congresso para marcar diferenças em relação ao PSD. Assunção Cristas quer:

a)     Mostrar que o CDS está unido (por contraste com o PSD);

b)     Mostrar que o CDS lidera a oposição (por contraste com o PSD);

c)      Mostrar que o CDS foi quem mais iniciativas de oposição apresentou no Parlamento (por contraste com o PSD);

d)     Mostrar que o CDS tem uma alternativa para o futuro (por contraste com o PSD);

e)     Definir que o CDS concorrerá em listas separadas às eleições europeias e legislativas (para se autonomizar do PSD);

f)      E até surpreender – Assunção Cristas está a tentar colocar nos órgãos nacionais 50% de mulheres. Ou seja, metade homens, metade, mulheres.

 

  1.      Numa palavra, em noite de Óscares, eu diria que Assunção Cristas justificaria o Óscar da Melhor Actriz Principal. Com um senão: a sua estratégia de concorrer separada do PSD é uma notável ajuda para o PS ganhar as eleições.

  

REVIRAVOLTA NO MONTEPIO

 

  1.      Há 2 meses eu disse aqui que, se a Misericórdia de Lisboa comprasse 10% do capital do Montepio por 200 milhões de euros (o plano que então estava em cima da mesa), o caso acabaria num inquérito parlamentar e numa investigação judicial, por suspeitas de gestão danosa.

 

  1.      Dois meses depois, já não vai ser necessária nem investigação judicial nem inquérito parlamentar. Houve uma reviravolta no processo e a Misericórdia foi obrigada a recuar. Três sinais dessa reviravolta:

a)     A decisão, segundo o Provedor, era para ser tomada em Janeiro. Estamos em Março e ainda não há decisão, porque tudo mudou.

b)     A avaliação do Montepio feita pelo Haitong ficou muito abaixo dos 2 mil milhões. Tão abaixo que a Misericórdia escondeu o valor exacto.

c)      A indicação de Manuel Teixeira para Administrador Não Executivo é outro sinal de que a operação inicial não se faz. Se se fizesse, a Misericórdia teria um Administrador, sim, mas Executivo.

 

  1.      Agora, o propósito é salvar a face. Como?

a)     Fazendo a Misericórdia de Lisboa entrar mas com uma participação muito mais modesta;

b)     Fazendo a Misericórdia de Lisboa entrar mas em conjunto com outras Misericórdias, as quais podem entrar mas com participações meramente simbólicas (mil euros é a hipótese em cima da mesa).

c)      Em conclusão: uma má notícia para o Governo, que estava empenhadíssimo neste negócio. Uma boa notícia para o país. 

 

 

A CIMEIRA PORTUGAL/ANGOLA

 

  1.      Segundo O Expresso, o Presidente da República vai apadrinhar uma importante cimeira empresarial Portugal/Angola. É uma boa iniciativa e um bom sinal. Isto significa que a relação entre Portugal e Angola está mais calma e mais desanuviada, a caminhar para a normalidade.

 

  1.      E isto é tão mais importante quanto:

a)     Angola está a viver uma mudança política enorme, onde se nota, por exemplo, uma grande abertura no sector da comunicação social;

b)     Angola está a iniciar um grande processo de mudança no plano económico. Um exemplo: amanhã entra em vigor uma lei histórica para favorecer o investimento estrangeiro. Até agora, um estrangeiro que quisesse investir em Angola tinha obrigatoriamente de ter um sócio angolano, com um mínimo de 35% do capital. A partir de agora, essa exigência acaba. Uma boa notícia para os empresários portugueses;

c)      Angola está a ganhar credibilidade na comunidade internacional, em grande medida fruto do novo ciclo político que foi aberto com a presidência de João Lourenço;

d)     Em Angola vê-se na população uma atmosfera de grande esperança e de muita expectativa.

e)     Os grandes líderes europeus têm encontros agendados com o Presidente Angolano – o Presidente do governo espanhol; o Presidente da República de França e a Chanceler alemã.

 

  1.      Se todos querem acompanhar de perto a nova Angola que está em construção, Portugal, por maioria de razão, não deverá desperdiçar este novo leque de oportunidades que se abre em Angola.

 

A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Anónimo 05.03.2018

Tenho muito saibro contaminado nas traseiras do meu quintal. Ninguém, pessoa ou organização, quer aquilo para o que quer que seja. Não presta para nada. Até os vizinhos fugiram para longe só para não viverem perto daquilo. Contacto os meus amigos do PS em Lisboa e peço para eles decretarem que todo o cidadão tem que ter na sua posse 50 kg do meu saibro até ao final do ano, guardado num cofre da CGD. Criei um mercado com procura, decretada é certo, e completamente distorcido, a partir do nada, e para o qual sou o único ofertante. Os meus amigos do PS criam uma série de carreiras de supervisão e fiscalização de todas as actividades relacionadas com a compra, transporte e acomodação do meu "produto" por parte de todos os cidadãos do país. Como se não bastasse, o governo decreta que todas as autoestradas, IPs e ICs têm de ser reconstruídas recorrendo ao meu saibro. A economia nesse ano cresce 25%, o desemprego é nulo e o melhor é que eu enriqueço 250000%. Bem-vindos ao socialismo tuga.

comentários mais recentes
Este faz parte da quadrilha que assaltou o PSD 05.03.2018

Este vendilhão diz que houve crescimento?!??? Onde? Nos bolsos destes que assaltaram o pais e o PSD?

Anónimo 05.03.2018

Também acho, mas a facção anarco-sindicalista do PSD chegou ao poder no partido. Impossível.

Anónimo 05.03.2018

Tenho muito saibro contaminado nas traseiras do meu quintal. Ninguém, pessoa ou organização, quer aquilo para o que quer que seja. Não presta para nada. Até os vizinhos fugiram para longe só para não viverem perto daquilo. Contacto os meus amigos do PS em Lisboa e peço para eles decretarem que todo o cidadão tem que ter na sua posse 50 kg do meu saibro até ao final do ano, guardado num cofre da CGD. Criei um mercado com procura, decretada é certo, e completamente distorcido, a partir do nada, e para o qual sou o único ofertante. Os meus amigos do PS criam uma série de carreiras de supervisão e fiscalização de todas as actividades relacionadas com a compra, transporte e acomodação do meu "produto" por parte de todos os cidadãos do país. Como se não bastasse, o governo decreta que todas as autoestradas, IPs e ICs têm de ser reconstruídas recorrendo ao meu saibro. A economia nesse ano cresce 25%, o desemprego é nulo e o melhor é que eu enriqueço 250000%. Bem-vindos ao socialismo tuga.

Uma vez pafientos 05.03.2018

pafientos para sempre, força PS escumalha nunca mais

ver mais comentários
Saber mais e Alertas
pub