André  Veríssimo
André Veríssimo 14 de maio de 2017 às 18:19

A Grécia passou a bestial

A Grécia está a dar a volta por cima. Há, pelo menos, muitos investidores a apostar nisso. Na sexta-feira, a bolsa de Atenas interrompeu uma série de 13 sessões consecutivas em alta, período em que valorizou 19%.

É preciso recuar 26 anos para encontrar semelhante desempenho. Na origem desta recente escalada está o acordo firmado entre o Governo grego e os credores a 2 de Maio, que permitirá receber a próxima tranche do terceiro programa de resgate, decisiva para o país cumprir o elevado reembolso de dívida no Verão. O entendimento deverá ainda abrir as portas a um novo alívio da dívida, que assegurará o envolvimento do FMI.

 

O maior optimismo em relação ao país faz com que o índice da bolsa grega já valorize 27% desde o início do ano, o quinto melhor desempenho em todo o mundo. Muito superior ao das acções europeias, que se ficam pelos 9,2%, e de Portugal (12%). Além da bolsa, também a dívida pública grega que ainda sobra no mercado está a brilhar. Com um retorno de 14,5% é a que mais rende em 2017.

 

Lembrar ainda que este bom desempenho começou há mais de um ano, em Fevereiro de 2016, e que a bolsa valoriza 80% desde então. Tudo isto num país que é governado, desde Janeiro de 2015, pelo Syriza, um partido da extrema-esquerda. Mas obrigado, pelas circunstâncias e pela troika, a governar como um partido liberal.

 

Subdirector

Marketing Automation certified by E-GOI