Patrícia  Abreu
Patrícia Abreu 24 de outubro de 2018 às 19:25

A política de juros da discórdia nos EUA

Tendo em conta que a Fed é uma entidade independente, Donald Trump terá de se contentar, para já, com os seus desabafos. Arrependido ou não por ter nomeado Powell, agora é ele quem tem o poder.

A política monetária da Reserva Federal dos EUA tem merecido duras críticas por parte da administração dos EUA. Donald Trump tem tecido duras críticas ao presidente da Fed, Jerome Powell, e continua sem medir palavras nas acusações ao responsável pela política de juros nos EUA.

Depois de ter dito que a Fed é a sua maior ameaça, ou que está "louca" com a subida de juros, o presidente dos EUA veio dizer que Powell "quase parece que está feliz por estar a subir as taxas de juro". A autoridade monetária dos EUA já aumentou por três vezes os preços do dinheiro em 2018, prevendo-se que a instituição volte a mexer na taxa directora na reunião de Dezembro. E as previsões dos economistas apontam no sentido de novas subidas em 2019.

No entanto, para Donald Trump, o ritmo de normalização dos juros está a ser demasiado rápido e não se justifica, face aos números da inflação. Mas claramente Powell não concorda e está determinado em prosseguir com a sua política monetária, indiferente às críticas do presidente.

Tendo em conta que a Fed é uma entidade independente, Donald Trump terá de se contentar, para já, com os seus desabafos. Arrependido ou não por ter nomeado Powell, agora é ele quem tem o poder.

 

Jornalista

Marketing Automation certified by E-GOI