António Moita
António Moita 18 de fevereiro de 2018 às 20:00

A velha Europa. Mais despesa igual a mais impostos

No contexto da saída do Reino Unido e da esperada necessidade de reforço de verbas para fazer face ao aumento das despesas de defesa e segurança ou do programa das migrações, a União Europeia discute uma fórmula que permita financiar o seu orçamento.

A única receita que os governantes nacionais e europeus parecem conhecer passa pela cobrança de mais impostos. Numa Europa em que o esforço fiscal exigido às famílias e às empresas já excede o razoável parece não haver limite à sofreguidão daqueles que só formalmente são nossos representantes.

 

Não tenho grandes reservas quanto à criação de impostos comunitários nem tão-pouco à tributação das plataformas digitais, das empresas poluentes ou das transações financeiras internacionais. Mas tenho enormes reservas quanto à dimensão das máquinas burocráticas nacionais e europeias. O problema parece não ser ideológico. A favor das medidas estão governantes das diferentes famílias políticas europeias e contra estão aqueles que, embora pertencendo às mesmas famílias políticas dos primeiros, se encontram na oposição em cada um dos Estados-membros.

 

O futuro da Europa passa pela harmonização de políticas de desenvolvimento, pelo equilíbrio entre os diferentes Estados, pelo investimento em inovação e pelo aumento da competitividade das empresas num contexto extremamente difícil face aos ataques dos gigantes comerciais e industriais mundiais normalmente pouco preocupados com direitos adquiridos.

 

Aumentar a carga fiscal às famílias e às empresas europeias, ainda que de forma indireta, significa hipotecar qualquer esperança de reforçar a presença de produtos europeus nos mercados do resto do mundo.

 

Na velha Europa que temos, a mais despesa só pode corresponder maior esforço fiscal. Na nova Europa que precisamos, é urgente reforçar o poder da União face aos Estados, reduzir a despesa global com as máquinas burocráticas, corrigir as assimetrias e perceber que o esforço fiscal exigido está diretamente ligado à capacidade de libertar recursos para a inovação, para o investimento e para a implementação de "políticas de felicidade".

 

Jurista

 

Artigo em conformidade com o novo Acordo Ortográfico

A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Mr.Tuga 19.02.2018

Aumento de impostos ideia xuxa ?!?!?!?

pub