Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Opinião
Jeffrey D. Sachs e Hannah Sachs 28 de Março de 2016 às 20:30

A América regressa a Cuba

O retomar das relações económicas entre os Estados Unidos e Cuba é um teste para ambos os países.

  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

A visita de Barack Obama a Cuba é a primeira de um Presidente norte-americano desde Calvin Coolidge em 1928. Seguir-se-ão os investidores norte-americanos, os expatriados cubanos, os turistas, os académicos e os oportunistas. A normalização das relações bilaterais representa oportunidades e perigos para Cuba e é um enorme teste de maturidade para os Estados Unidos.

A revolução cubana liderada por Fidel Castro há 57 anos foi uma profunda afronta ao ego dos Estados Unidos. Desde a fundação dos Estados Unidos, os seus líderes reclamaram o direito ao excepcionalismo norte-americano. O modelo norte-americano é tão convincente, segundo os seus líderes, que todos os países decentes devem optar por segui-lo. Quando os governos estrangeiros são loucos a ponto de rejeitar a via norte-americana, devem esperar represálias por penalizar os interesses dos Estados Unidos (vistos como alinhados com os interesses universais) e ameaçar a segurança dos Estados Unidos.

Com Havana a uns meros 144 quilómetros das Florida Keys, a ingerência americana em Cuba tem sido incessante. Thomas Jefferson em 1820 defendeu que "à primeira oportunidade, os Estados Unidos deviam tomar Cuba". Fê-lo em 1898, quando interveio numa rebelião cubana contra Espanha para reivindicar uma efectiva hegemonia económica e política na ilha.   


Nas lutas que se seguiram, os Estados Unidos tomaram Guantánamo como base naval e reivindicaram (na hoje infame Emeda Platt) o direito futuro de intervir em Cuba. O general Fulgencio Batista, derrotado por Castro, foi o último de uma longa lista de líderes repressores colocado e mantido no poder pelos Estados Unidos.


Os Estados Unidos mantiveram Cuba sob a sua alçada e, de acordo com os interesses dos investidores norte-americanos, as exportações resumiram-se a pouco mais do que plantações de açúcar e tabaco na primeira metade do século XX. A revolução de Castro para derrubar Batista pretendia criar uma economia moderna e diversificada. Mas a falta de uma estratégia clara nunca permitiu que esse objectivo fosse alcançado.


A reforma agrária e as nacionalizações de Castro, iniciadas em 1959, alarmaram os interesses dos produtores de açúcar norte-americanos e levaram os Estados Unidos a introduzir novas restrições comerciais. Estas acabaram por converter-se em cortes nas licenças de exportação de açúcar para os Estados Unidos e num embargo nas exportações de petróleo e alimentos para Cuba. Quando Castro se virou para a União Soviética para preencher este vazio, o Presidente Dwight Eisenhower emitiu uma ordem secreta à CIA para derrubar o novo regime, levando à desastrosa invasão da Baía dos Porcos em 1961 nos primeiros meses da administração de John F. Kennedy.


Mais tarde, foi dada luz verde à CIA para assassinar Castro. Em 1962, o líder soviético Nikita Khrushchev decidiu impedir outra invasão norte-americana – e dar uma lição aos Estados Unidos – ao instalar mísseis nucleares em Cuba, desencadeando a crise dos mísseis de Outubro de 1962, que colocou o mundo à beira da destruição nuclear.


A deslumbrante contenção de Kennedy e Khrushchev, e uma boa dose de sorte, pouparam a humanidade. Os mísseis soviéticos foram retirados e os Estados Unidos prometeram não lançar outra invasão. Em vez disso, os Estados Unidos reforçaram o embargo comercial, exigiram a restituição das propriedades nacionalizadas e empurraram, irrevogavelmente, Cuba para os braços da União Soviética. A monocultura do açúcar permaneceu e a sua produção dirigia-se agora para a União Soviética e não para os Estados Unidos.   


O meio século de uma economia ao estilo soviético, exacerbada pelo embargo comercial dos Estados Unidos e outras políticas relacionadas, teve um preço muito alto. Em paridade de poder de compra, o rendimento per capita cubano é um quinto do norte-americano. Ainda assim, Cuba alcançou bons resultados na melhoria da literacia e da saúde pública. A expectativa de vida é semelhante à da norte-americana e muito mais elevada do que na maioria dos países da América Latina. Nos últimos anos, os médicos cubanos tiveram um papel importante no controlo de doença em África.   


A normalização das relações diplomáticas cria dois cenários muito diferentes para a relação entre os dois países. No primeiro, os Estados Unidos regressam aos maus hábitos do passado, e exigem a Cuba medidas draconianas em troca de relações económicas bilaterais "normais". O Congresso pode, por exemplo, exigir a restituição das propriedades nacionalizadas durante a revolução; o direito ilimitado dos norte-americanos adquirirem terra e outras propriedades; a privatização de empresas estatais a preços de saldo; e o fim de políticas sociais progressistas como o sistema de saúde pública. Neste caso, as coisas podem ficar feias.    


No segundo cenário, que representa uma ruptura histórica com o passado, os Estados Unidos deveriam exercer o autocontrolo. Neste caso, o Congresso aprovaria o restabelecimento das relações comerciais com Cuba sem exigir que o país se reinvente à imagem dos Estados Unidos e sem forçar que reanalise as nacionalizações pós-revolução. Cuba não seria pressionada a abandonar um sistema de saúde apoiado pelo Estado ou a abrir o sector aos investidores privados norte-americanos. Os cubanos desejam uma relação de respeito mútuo, e receiam uma nova relação de subserviência.   


Isto não quer dizer que o país deva ser lento a aplicar novas reformas. Cuba deve, rapidamente, tornar a sua moeda convertível para o comércio, alargar os direitos de propriedade e, com muito cuidado e transparência, privatizar algumas empresas.


Estas reformas, em conjunto com um investimento público robusto, podem acelerar o crescimento e a diversificação económica, protegendo, ao mesmo tempo, o que o país alcançou nas áreas da saúde, educação e serviços sociais. Cuba pode, e deve, ambicionar uma democracia social ao estilo da Costa Rica, e não um capitalismo cru como o norte-americano (Jeffrey D. Sachs defendeu algo semelhante para a Polónia há 25 anos: o país deve desejar uma democracia social ao estilo escandinavo, em vez de o neoliberalismo de Ronald Reagan e Margaret Thatcher).

O retomar das relações económicas entre os Estados Unidos e Cuba é assim um teste para ambos os países. Cuba precisa de reformas significativas para alcançar o seu potencial económico sem pôr em perigo os enormes progressos sociais. Os Estados Unidos necessitam de exercer um autocontrolo inédito que dê a Cuba o tempo e a liberdade de manobra de que o país precisa para criar uma economia moderna e diversificada, na sua maioria detida e gerida pelos próprios cubanos e não pelos seus vizinhos do Norte.

 

Jeffrey D. Sachs é director do Instituto da Terra da Universidade de Columbia. Hannah Sachs estuda História Cubana na Universidade de Yale.

 

Direitos de Autor: Project Syndicate, 2016.
www.project-syndicate.org
Tradução: Ana Luísa Marques

Ver comentários
Saber mais Barack Obama Cuba Calvin Coolidge Estados Unidos Fidel Castro Havana Thomas Jefferson Espanha Guantánamo Fulgencio Batista União Soviética Dwight Eisenhower CIA Baía dos Porcos John F. Kennedy Nikita Khrushchev Costa Rica
Mais artigos do Autor
Ver mais
Mais lidas
Outras Notícias