Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Opinião
Joaquim Aguiar 10 de Outubro de 2016 às 19:45

A inocência dos esquecidos

Os balanços dos bancos confirmam que falharam na sua função essencial. As auditorias forenses, quando se fizerem, confirmarão que houve cumplicidades cruzadas de banqueiros e políticos.

  • Assine já 1€/1 mês
  • 3
  • ...

A FRASE...

 

"Em poucos meses, a banca nacional está a ser desmantelada e vendida em saldo a interesses estrangeiros, com consequências muito graves para a economia nacional e para a soberania do país."

 

Ricardo Cabral, Público, 30 de Setembro de 2016

 

A ANÁLISE...

 

Só os desmemoriados podem acreditar que é em poucos meses que a banca nacional está a ser desmantelada e vendida. É um processo que tem quatro décadas, com uma única linha de tendência - a mesma que se encontra na diminuição da taxa de crescimento, na perda de competitividade e no acentuado envelhecimento demográfico. O que acontece agora é a consequência inevitável do que esteve a ser feito, de ilusão em ilusão.

 

Houve quem anunciasse que as nacionalizações de empresas implicariam o desmantelamento dos centros de acumulação de capital, quem mostrasse que a descolonização destruía a escala em que se tinha estruturado o modelo de desenvolvimento português, quem avisasse que as privatizações sem indemnizações pelas nacionalizações implicariam o crescimento sem controlo do endividamento das empresas, quem mostrasse que a descida da taxa de juro com a adesão ao euro seria um estímulo enganador e motivo de erros de decisão estratégica na economia. Numa economia dominada pela dívida, só a função de avaliação do risco que fosse exercida pelos bancos, gestores da dívida, poderia evitar que os desequilíbrios se acumulassem até à inviabilidade - e que a consequência fosse a venda dos activos para o exterior.

 

Os balanços dos bancos confirmam que falharam na sua função essencial. As auditorias forenses, quando se fizerem, confirmarão que houve cumplicidades cruzadas de banqueiros e políticos. Os bancos vendem-se, os banqueiros desaparecem, mas os políticos continuam, inocentes e sem memória.

 

Este artigo de opinião integra A Mão Visível - Observações sobre as consequências directas e indirectas das políticas para todos os sectores da sociedade e dos efeitos a médio e longo prazo por oposição às realizadas sobre os efeitos imediatos e dirigidas apenas para certos grupos da sociedade.

maovisivel@gmail.com

Ver comentários
Mais artigos do Autor
Ver mais
Outras Notícias