Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Opinião

Crédito selectivo

É uma recorrência em qualquer crise económica e, sobretudo financeira: a escassez de crédito (o sangue que faz funcionar qualquer economia). Não que não seja desejável, em momentos de crise, que a banca se acautele a conceder crédito. O problema é que, em situações como a actual, o corte do crédito é geral (apanha boas e más empresas), mais pronunciado (violento na dimensão) e imediato (não dá tempo às empresas para se ajustarem).

  • Assine já 1€/1 mês
  • 2
  • ...
Como se resolve o problema? Pondo o mercado do dinheiro a funcionar, o que aconteceu há uma semana quando os governos europeus garantiram os empréstimos inter bancos. O resultado foi uma semana de quedas da Euribor, que deverá continuar a cair, aproximando-se dos 4%.

Mas não se espere que a queda da Euribor e o re-arranque do mercado do crédito, vá salvar todas as empresas afectadas pela "seca" creditícia. Porque continua a haver empresas viáveis e não viáveis. As segundas só sobreviviam porque o crédito era barato: a única diferença entre o "antes da crise" e "depois da crise" é que a morte veio mais rápida, fruto do corte radical no crédito. As segundas, mesmo sendo viáveis, correm risco de encerramento? Sim, mas em menor grau. Porque não têm um problema de viabilidade mas de tesouraria. É a essas que os bancos deviam estar mais atentos. Porque é socialmente injusto que empresas viáveis fechem as portas (desemprego) e porque é o próprio negócio dos bancos que sai afectado.

Ver comentários
Mais artigos do Autor
Ver mais
Outras Notícias