Paulo Sousa
Paulo Sousa 06 de março de 2018 às 21:49

Desafiados a comer melhor

O objetivo principal de combate à iliteracia alimentar e nutricional e de promoção de hábitos de vida saudáveis justifica o esforço, que deveria ser de todos.

A publicação do Despacho n.º 11391/2017, publicado em Diário da República a 28 de dezembro, apresenta uma mudança de paradigma para os operadores da área das cafetarias hospitalares: a partir de julho de 2018, a oferta disponibilizada nestes espaços terá de integrar uma ampla gama de produtos saudáveis, incentivando hábitos alimentares mais salutares, quer para os profissionais quer para os utentes e seus acompanhantes.

O mote não poderia deixar de ser mais pertinente face à conjuntura atual, pois como é do conhecimento generalizado, o peso das doenças crónicas, como doenças cardiovasculares, diabetes e até cancro, está relacionado com maus hábitos alimentares. Este cenário periga a sustentabilidade do SNS e afeta diretamente a qualidade de vida dos portugueses, razões que conduziram o Ministério da Saúde a materializar a iniciativa "Juntos pela Alimentação Saudável".

 

Desde a primeira hora, o SUCH (Serviço de Utilização Comum dos Hospitais) respondeu afirmativamente a este desafio, cumprindo assim com a responsabilidade social que caracteriza esta instituição e que é um dos seus pilares estratégicos. Ao colocar o conhecimento e empenho dos técnicos e nutricionistas do SUCH ao dispor desta iniciativa, contribuímos ativamente para a necessária mudança de comportamentos alimentares diretamente correlacionada com a melhoria da qualidade de vida dos portugueses.

 

O arranque do projeto-piloto, no passado dia 1 de fevereiro, na cafetaria do Hospital São Francisco Xavier, pôs à prova a capacidade do SUCH de inovar, e com o apoio dos chefs Nuno Queiroz Ribeiro e Luís Lavrador, bem como da nutricionista Ana Bravo, foi possível apresentar uma nova oferta de produtos que, ao mesmo tempo que vão ao encontro das características previstas no despacho, em nada ficam a dever aos olhos e ao paladar.

 

Feito um mês de balanço do projeto-piloto, é possível verificar que a disponibilização de uma oferta variada de produtos saudáveis nada fica a perder na lei de oferta e da procura e que pode mesmo ser uma nova oportunidade de negócio para os próprios fornecedores. A nossa experiência dita que, com relativa facilidade, o mercado se adapta às solicitações e é o que tem acontecido neste caso. O mercado já se encontra em processo de adaptação do que esperamos ser uma nova realidade.

 

A mudança de mentalidades e de comportamentos é sempre um desafio, e se no início se prevê sempre alguma resistência, acreditamos ser capazes de a ultrapassar imprimindo criatividade e inovação nesta nova oferta. O objetivo principal de combate à iliteracia alimentar e nutricional e de promoção de hábitos de vida saudáveis justifica o esforço, que deveria ser de todos.

 

 O SUCH não pode deixar de congratular os seus colaboradores, em particular as cozinheiras e os cozinheiros, que com esforço e dedicação se estão também a adaptar a esta nova realidade, conscientes de que o resultado final é não só mais saudável como variado e apelativo.

 

Pela saúde de todos e por um melhor SNS!

 

Presidente do conselho de administração do SUCH

 

Artigo em conformidade com o novo Acordo Ortográfico

A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Anónimo 07.03.2018

Nas escolas é que era necessário actuar, "de pequenino se torce o pepino". Mas quem é que tem coragem de se meter com o Mário Nogueira, num país de borrados de medo de pisarem os calos a alguém?

LL 07.03.2018

O objectivo (e não, objetivo) principal de combate à iliteracia ...

ccc 07.03.2018

Muita informação e de pouco valor. Eu tinha uma alimentação correcta mas andei com problemas intestinais durante mais de 10 anos. Até tinha medo de comer. Consegui finalmente perceber que era o cloro adicionado à água na zona onde moro ( Gaia ) que me estava a matar lentamente.

pub