Raquel Godinho
Raquel Godinho 20 de fevereiro de 2018 às 20:50

"Fintech" brilham à boleia da bitcoin

O investimento internacional em "fintech" aumentou em 2014 e 2015, tendo depois travado, e 2017 parecia ser um ano negativo. Contudo, o renovado interesse dos investidores no "blockchain" e nas moedas virtuais, sobretudo na parte final do ano, impediu este movimento.

2017 foi o ano da bitcoin.

A criptomoeda ganhou muita visibilidade e o seu rumo foi marcado por variações expressivas. Agora um estudo da KPMG, citado pelo Cinco Días, revela que a valorização da moeda virtual levou ao aumento do investimento em "fintech", em 2017. O investimento internacional em "fintech" aumentou em 2014 e 2015, tendo depois travado, e 2017 parecia ser um ano negativo. Contudo, o renovado interesse dos investidores no "blockchain" e nas moedas virtuais, sobretudo na parte final do ano, impediu este movimento. Foi precisamente neste último trimestre que a bitcoin registou uma subida expressiva e atingiu o valor mais elevado de sempre, próximo dos 20 mil dólares. Em 2017, "o investimento global em 'fintech' atingiu os 31 mil milhões de dólares", segundo o relatório da KPMG que destaca que a aposta em "blockchain" atingiu níveis recorde. Os 8,7 mil milhões de dólares captados no último trimestre do ano acabaram por levar a um saldo anual positivo, que compara com os 25 mil milhões de dólares do ano anterior. E esta tendência deve acentuar-se em 2018 à boleia da directiva dos pagamentos que permite que as "fintech" tenham acesso à informação financeira dos clientes bancários.

 

Jornalista

A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
pub