Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Opinião

Ganhar dinheiro com as quedas

Para a esmagadora maioria dos investidores em Portugal, quedas no mercado accionista significam perdas na sua carteira.

  • Partilhar artigo
  • ...

Para a esmagadora maioria dos investidores em Portugal, quedas no mercado accionista significam perdas na sua carteira. Tradicionalmente, no nosso país, os investidores apenas negoceiam acções, desconhecendo o funcionamento de outros instrumentos financeiros que lhes permitem ganhar dinheiro com as quedas.


Esta limitação faz com que seja praticamente impossível a um investidor que apenas investe no mercado accionista ganhar dinheiro em "Bear Markets". A Bolsa portuguesa, por exemplo, caiu entre 2007 e 2012. Durante este período de tempo, com excepção do ano de 2009, teria sido extremamente difícil ganhar dinheiro, dado que os investidores que não têm acesso a outros instrumentos financeiros, não podem tentar ganhar dinheiro com as quedas do mercado.


Mas não é apenas por isso que eu defendo que todos os investidores devem obter conhecimentos que lhes permita negociar activos financeiros que lhes possibilite ganhar dinheiro com as quedas. O facto da maior parte dos investidores portugueses apenas poder ganhar dinheiro com as subidas faz com que a forma como olham para as acções seja enviesada por essa perspectiva. No fundo, o investidor está sempre à procura das subidas, olhando para qualquer gráfico já com esse desejo de antever subidas futuras. Quando um investidor tem a possibilidade de ganhar dinheiro com as quedas, olha para os gráficos de uma forma mais imparcial, sendo-lhe indiferente se a acção vai subir ou descer, desde que ele esteja do lado certo…


Como se pode ganhar dinheiro com as quedas em Portugal? No mercado accionista eu diria que é quase impossível, pois as regras do "short selling" são tão complexas e apertadas que apenas está ao alcance dos grandes investidores. O mercado de futuros está moribundo, pelo que restam os "warrants" e os "CFD´s". O mercado de "warrants" foi extremamente popular em Portugal no início da década passada, mas a dificuldade dos investidores em calcularem o valor teórico de um "warrant" e a subjectividade na determinação de algumas variáveis, fez com que este instrumento financeiro perdesse protagonismo ao longo dos últimos anos.


Actualmente, a forma mais popular de se abrir posições curtas (termo designado para descrever a posição que permite ao investidor ganhar dinheiro com as quedas e perder com as subidas) em Portugal são os CFD`s. Têm características diferentes das acções, nomeadamente o facto de permitirem alavancagem e de, diariamente, ser feito o ajuste na conta margem dos ganhos e perdas, mas a cotação do CFD acompanha da mesma forma a variação do activo subjacente, sejam acções ou índices.


Como se pode, em termos práticos, tentar ganhar dinheiro com as quedas nos CFD`s? Vamos exemplificar com a Galp que, no momento em que vos escrevo está cotada no mercado accionista a 12,10 e tem nos CFD`s a compra a 12,095 e a venda a 12,105. Se quero abrir uma posição curta, aquilo que tenho que fazer é um processo cronologicamente inverso ao normal, ou seja, vendo primeiro para comprar depois. Imaginemos que eu acreditava que a Galp vai cair nos próximos tempos e queria abrir uma posição curta de 1000 CFD`s sobre a Galp: Neste caso, venderia 1000 CFD`s sobre a Galp a 12,095.


Se a Galp, nas sessões seguintes, caísse para os 11,4, com a cotação dos CFD`s a 11,395 na compra e 11,405 na venda, eu para fechar a minha posição teria que comprar 1000 CFD`s da Galp a 11,405. Teria ganho 1000 x (12,095-11,405), ou seja, 690 euros.


Naturalmente que, caso a cotação tivesse subido, como teríamos que comprar (para fechar a posição) a um preço mais elevado do que vendemos, teríamos tido prejuízo nesse negócio ou, num termo mais técnico, menos valias. É importante ressalvar isto porque quando digo que as posições curtas permitem-nos ganhar dinheiro com as quedas dos mercados, há que referir que as subidas do mercado provocam perdas na nossa carteira.


Um alerta importante a deixar quando falamos deste género de instrumentos financeiros é que, enquanto nas acções as perdas são limitadas ao capital investido (a perda máxima é de 100% caso a acção vá a 0), nas posições curtas dos CFD`s, a perda pode ser maior, uma vez que a acção pode subir sem limite. Naturalmente que há mecanismos de protecção para estas situações até porque quando a conta fica sem margem necessária para garantir a posição, o cliente é avisado da situação e tem que fechar a posição.


Mas não é minha intenção detalhar aqui exactamente todos os mecanismos de funcionamento dos CFD`s. Aquilo que quis foi sublinhar a importância para os investidores de poderem ganhar dinheiro com as quedas dos mercados, de poder olhar para as acções de uma forma mais "imparcial" e sem ter que esperar pelos "Bull Markets" para terem anos de bom desempenho das suas carteiras.


Foi um artigo mais técnico do que o habitual, mas era importante exemplificar e explicar o mecanismo de funcionamento das posições curtas, algo que ainda está muito pouco enraizado nos nossos investidores. Vender primeiro e comprar depois é possível e mesmo que no início este conceito possa parecer estranho, faz parte do processo de alargamento dos recursos à disposição dos investidores e que é crucial para o sucesso em Bolsa. Porque nem sempre a queda na Bolsa significa um mau dia para os investidores.

 

 

 

Analista Dif Brokers
ulisses. pereira@difbroker.com

 

Mais artigos do Autor
Ver mais
Outras Notícias