Patrícia  Abreu
Patrícia Abreu 22 de fevereiro de 2018 às 21:15

Igualdade só mesmo na carga de trabalho

Muito se tem discutido o sistema de quotas nas empresas públicas e privadas. Uns levantam o dedo para dizer que a promoção de mais mulheres a lugares de direcção será apenas para cumprir quotas e não por competência.

Para outros, a lei já vem tarde e devia ir mais longe, exigindo a paridade entre homens e mulheres. Esteja-se contra ou a favor do sistema de quotas, ninguém contesta que, em pleno século XXI, homens e mulheres estão longe de estar em pé de igualdade. E isso é visível nos recibos de ordenado, mesmo quando as funções e competências profissionais são idênticas.

De acordo com a Bloomberg, a unidade de investimento do Barclays paga às funcionárias do sexo feminino na sua divisão da banca de investimento metade do que paga aos homens, acentuando um desequilíbrio já muito marcado numa indústria onde o sexo masculino domina as posições com os salários mais elevados.

Segundo um relatório de género citado pela agência de notícias, na unidade britânica do Barclays, as mulheres ganham menos 26% do que os homens e recebem bónus 60% inferiores. Os números falam por si. Mas o que justifica tão grande discrepância? Aparentemente não há, mas certo é que isto continua a acontecer.

 

Jornalista

A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentários mais recentes
Alentejano 26.02.2018

não criava intrigas no trabalho e trabalhava a sério em vez de arranjar desculpas para tal meia hora de conversa com este ou aquela! não era mal educado com clientes ou colaboradores e no final do mês saia com o mesmo salário que elas! Viva a Igualdade de género Alemã "and may they rot in hell".

Alentejano 26.02.2018

preparado para o próximo dia! não tirava folgas por problemas pessoais, não desaparecia porque o miúdo esfolou o joelho. Um cliente internacional não me deixava em pânico pois eu falava a língua deles (ou pelo menos a 2ª língua deles que era o inglês), e fazia os turnos lixados.

Alentejano 26.02.2018

eu que trabalhei com mulheres em muitos empregos posso explicar-lhe porque eu ao receber o mesmo era mal pago! eu vendia 90% dos produtos de luxo elas vendiam a quinquilharia! eu chegava mais cedo ajudava no stock e trabalhos pesados almoçava em 15 minutos e saia 2 horas mais tarde para deixar tudo

General Ciresp 22.02.2018

Quando fiz a escola secundaria tive de estudar historia internacional.Nessa altura estudei q no seculo XI,OU XII eram escolhidos a dedo homens e mulheres q estavam autorizados e terem filhos,1 vez o filho nascido ele era retirado dessa familia por 1 instituicao q o ia educar.Voltaremos a esse tempo

ver mais comentários
pub