Paulo Carmona
Paulo Carmona 17 de janeiro de 2018 às 20:05

Libertar os portugueses

Podemos em breve ter eutanásia, mas impedidos de abusar do sal ou do açúcar, podemos mudar de sexo aos 16, mas nem pensar em beber ou fumar. Os exemplos são infinitos numa sociedade cada vez mais embalada e entorpecida.

A FRASE...

 

(…) O esmagamento das ideias de Lucas Pires pela tecnocracia de Cavaco é um momento negro para a direita portuguesa, representa uma automutilação que dura até hoje, e representa a destruição de um efectivo pluralismo político. Santana e Rio querem um PSD igual ao PS. E assim pergunta-se: então para que serve a política se todos são iguais?

 

Henrique Raposo, Expresso, 13 de janeiro 2018

 

A ANÁLISE...

 

Que ideias e projetos existem hoje para o país? Só sentimos dois. Um de pendor utópico perigoso que tomava como bandeiras a Venezuela e a Grécia até vir a fome e o 15.º pacote de austeridade, respetivamente. Infelizmente, o outro é apenas de evolução na continuidade. Um Estado fiscalmente insaciável que falha na elementar proteção aos cidadãos, como nos fogos, e falhará nas prestações sociais daqui a 20 anos quando já não conseguir cumprir os seus compromissos com as pensões, preocupado com o interesse dos seus governantes e dos funcionários urbanos votantes, sempre com a música da defesa do povo, enquanto o sobrecarrega com impostos indiretos.

 

Um Estado cada vez mais salazarista do qual se depende mais, que tudo controla e os gestores silencia. Nada se faz sem o Estado ou contra um Estado que tudo regulamenta e certifica. Temos censura das opiniões como atesta o processo movido pela CIG ao Arq.º Saraiva, legisladores vigilantes que nos indicam o que comer, podemos em breve ter eutanásia, mas impedidos de abusar do sal ou do açúcar, podemos mudar de sexo aos 16, mas nem pensar em beber ou fumar. Os exemplos são infinitos numa sociedade cada vez mais embalada e entorpecida.

 

E os nossos problemas de fundo ficam por tratar ou pensar, o definhamento demográfico, uma educação que pense mais os alunos para o futuro e a globalização e menos nos interesses dos professores, uma saúde mais virada para a satisfação do utente sem preconceitos ideológicos anacrónicos, a lenta estagnação económica, os baixos salários, etc.

 

Diz-se que cada povo tem os governantes que merece. Não, os portugueses merecem mais, se não tiverem medo de ambicionar ser e ter mundo. Quando saem e o olham de frente, sem medo, vencem. São bons, são dos melhores nas suas áreas…

 

Portugal necessita de um 25 de Abril económico que nos liberte deste crescente Estado Corporativo e salazarento que tudo quer regular, abafar e entorpecer… que sabe o que queremos, que escolhe por nós e tudo faz em nosso nome. Há que libertar o potencial e a responsabilidade dos portugueses, sem medo e desafiá-los a mostrar que são bons. Essa é uma ideia e um projeto. Teremos líderes à altura? E os portugueses, querem-se mesmo libertar? Ou Salazar tinha razão?

 

Artigo está em conformidade com o novo Acordo Ortográfico

 

Este artigo de opinião integra A Mão Visível - Observações sobre as consequências directas e indirectas das políticas para todos os sectores da sociedade e dos efeitos a médio e longo prazo por oposição às realizadas sobre os efeitos imediatos e dirigidas apenas para certos grupos da sociedade.

maovisivel@gmail.com