Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Opinião

Mais uma vez parados?

Os períodos eleitorais são tidos como momentos em que o país praticamente pára. A pré-campanha, a campanha, as eleições propriamente ditas, a constituição de um novo Governo... tudo são momentos de espera.

  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

Os períodos eleitorais são tidos como momentos em que o país praticamente pára. A pré-campanha, a campanha, as eleições propriamente ditas, a constituição de um novo Governo... tudo são momentos de espera.

Até lá o país estará em gestão, durante praticamente dois meses. A atenuante este ano é isto se passar na época de Natal e do ano novo, em que o país por tradição já «anda» pouco (apesar deste ano os feriados aos sábados ajudarem a contrariar esse vício).

Havia decisões importantes em «pipeline» que correm o risco de ficar aí mesmo e de, com novo Governo, serem afastadas, promovendo-se novos estudos, novas comissões, novos projectos, novos debates... etc etc.

Esta é a parte má de todo este imbróglio político em que Portugal está mergulhado. Por isso, não sendo perita em assuntos políticos, apenas questiono porque é que não se antecipou tudo isto, convocando-se eleições logo quando Durão Barroso saiu? Tudo isto se adivinhava, com vários comentadores políticos a anteciparem este desfecho.

«O que nasce torto, tarde ou nunca se endireita», diz o ditado, tantas vezes citado nestes tempos. Mas não deixa de ser apropriado. Desde início. Começou com os tão badalados ministérios fora de Lisboa. Acabaram por ir algumas secretarias de Estado. Episódio que acaba por ser pequeno, comparado com o que se seguiu.

Um dos mais graves foi o «caso Marcelo». Foi o princípio do fim. Marcelo ficou sem os comentários do Domingo na TVI, mas também ficou sem o Governo que nunca apoiou.

E a economia? Foi noticiado que os empresários criticaram duramente o Governo e o seu Orçamento do Estado, o que também terá contribuído para a decisão de Jorge Sampaio.

Mas o orçamento não deve ter nada a ver com isto, senão, porque é que o Presidente da República deixa margem para a aprovação desse mesmo Orçamento?

Alguém me consegue explicar?

Mais lidas
Outras Notícias