Patrícia  Abreu
Patrícia Abreu 08 de março de 2018 às 20:54

Mulheres na gestão reduzem volatilidade 

A volatilidade é, seguramente, um dos temas de 2018. Mas, há formas de minimizar os impactos da instabilidade dos mercados na carteira. Apostar em empresas com mais mulheres na sua gestão pode ajudar a reduzir a volatilidade do portefólio.

Mas, o que tem a ver a oscilação das cotações das acções com ter mais ou menos mulheres com cargos executivos numa cotada? À partida nada, contudo um estudo do Bank of America, citado pela Bloomberg, mostra que lideranças com mais presenças femininas têm-se traduzido de forma consistente em menores oscilações das cotações e uma reduzida volatilidade ao nível dos resultados. Além disso, as acções de companhias com maior diversidade masculina e feminina tendem a apresentar retornos mais elevados. De acordo com o estudo, conduzido entre 2010 e 2016, as companhias do S&P 500 com, pelo menos, 25% de mulheres em cargos executivos registaram retornos superiores à média no ano seguinte. Ou seja, empresas com mais mulheres executivas revelam-se mais rentáveis. Num ano em que se espera mais volatilidade, esta conclusão assume ainda maior relevância, sobretudo quando a liderança das empresas ainda é maioritariamente masculina.

 

Jornalista

pub