Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Opinião
Paulo Querido paulo@querido.pt 25 de Dezembro de 2012 às 23:30

Natal dos 'tablets' aterrorizou fabricantes de brinquedos tradicionais

Tópicos - as palavras que fazem as notícias do mundo

  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

1. Natal dos 'tablets' aterrorizou fabricantes de brinquedos tradicionais

O envolvimento do Papa Bento XVI na questão da Síria, com o apelo ao fim do "banho de sangue" no país, marcou a agenda social da época natalícia. No plano económico, as vendas deste Natal tiveram o efeito de oficializar uma tendência que já se desenhava: os fabricantes de brinquedos para crianças têm um futuro muito incerto face ao crescimento enorme do número de tablet computers e aparelhos informáticos de vários tipos nos lares da Europa e Estados Unidos.

 

Acresce que muito pais compraram as versões mais recentes do iPad e concorrentes, sobrando os primeiros aparelhos para os mais novos. O problema é, pois, duplo: os jogos e brinquedos tradicionais não conseguem competir com a excitação das tecnologias, que por sua vez estão a tomar cada vez mais a atenção dos miúdos, sobrando pouco espaço para outros brinquedos. «Os maiores, Mattel e Hasbro, estão aterrorizados», diz Sean McGowan, analista citado pelo Financial Times.

 

 

 

2. Mario Monti

O centro político italiano adoptou sem pestanejar a "agenda Monti" - um documento de 25 páginas com o título "Mudar a Itália. Reformar a Europa, agenda para um compromisso comum". A introdução de um imposto sobre o património, um salário mínimo e a construção de uma Europa mais integrada e solidária integram a agenda, apresentada na véspera de Natal com um site e uma conta Twitter. Monti terá o apoio de Berlusconi nas eleições de 25 de fevereiro.

 

 

 

3. BBVA

A revisão estratégica da sua presença na América Latina teve um marco importante nos últimos dias: o BBVA assegurou a venda por 400 milhões de euros da sua participação num fundo de pensões na Colômbia. O negócio deverá estar concluído no primeiro semestre de 2013 e as mais valias depois de impostos ascenderão a 265 milhões de euros, que vão direitinhos para o reforço de capital que o banco pretende.

 

 

"Tópicos" é uma ferramenta do Negócios que faz pesquisa inteligente das notícias de economia mundiais. Consulte e saiba mais em www.negocios.pt

Ver comentários
Saber mais opinião
Mais artigos do Autor
Ver mais
Mais lidas
Outras Notícias