José M. Brandão de Brito
José M. Brandão de Brito 15 de janeiro de 2018 às 20:57

O improvável sucesso de um Presidente improvável

A obstinação e desprezo pelas consequências políticas das suas ações levam a crer que a muralha na fronteira do México venha um dia a ser erigida.

A FRASE...

 

"Donald Trump é o Presidente mais bem-sucedido de sempre no primeiro ano de mandato."

 

US News, 29 de dezembro de 2017 

 

A ANÁLISE...

 

Sobre o balanço do primeiro ano de Donald Trump, que se assinala esta semana, tudo se pode dizer, menos que foi um fracasso. Admire-se ou despreze-se o 45.º Presidente dos EUA, ele tem mostrado ser um líder e um lutador, apesar da hostilidade da opinião pública (doméstica e externa) e da falta de empatia de muitos outros líderes internacionais (em particular na Europa). Ironia das ironias, o facto de Trump ter já cumprido um número significativo das suas promessas eleitorais constitui uma homenagem à democracia, independentemente do mérito absoluto das políticas prosseguidas.

 

No plano externo, Trump rechaçou ataques inclementes de todas as frentes para levar adiante as promessas democraticamente ratificadas pelo eleitorado americano: retirou os EUA do acordo climático; centrou, com sucesso, a intervenção na Síria no combate ao ISIS (que é o verdadeiro inimigo do Ocidente) e passou a embaixada norte-americana para Jerusalém, algo que vários dos seus predecessores prometeram fazer, mas não fizeram. A obstinação e desprezo pelas consequências políticas das suas ações levam a crer que a muralha na fronteira do México venha um dia a ser erigida.

 

No plano interno, a economia reforçou o seu ímpeto, contrariando a projeção consensual de abrandamento, os mercados acionistas têm batido recordes com frequência quase diária, o desemprego está perto de mínimos históricos e a grande bandeira eleitoral de Trump - reforma fiscal - foi aprovada depois de ter sido rejeitada inúmeras vezes pelo seu próprio partido.

 

Donald Trump ganhou as eleições em 2016 sob o compromisso de romper com o status quo. O escândalo com que esse status quo reagiu à sua inesperada vitória nos media é o mesmo que acompanha cada decisão do Presidente americano. Mas isso não o tem impedido de avançar a sua agenda com uma tenacidade que poucos lhe atribuíam e um sucesso que poucos lhe vaticinavam. Para o bem e para o mal, isto significa mais Trump e por mais tempo.

 

Artigo está em conformidade com o novo Acordo Ortográfico

 

Este artigo de opinião integra A Mão Visível - Observações sobre as consequências directas e indirectas das políticas para todos os sectores da sociedade e dos efeitos a médio e longo prazo por oposição às realizadas sobre os efeitos imediatos e dirigidas apenas para certos grupos da sociedade.

maovisivel@gmail.com

A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
pub