A carregar o vídeo ...
Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Opinião
Joaquim Aguiar 21 de Maio de 2013 às 00:01

O fim da ilusão distributiva

Nem tudo o que foi possível numa época transita para as épocas seguintes - e o talento político está em saber mudar o que estava estabelecido quando se altera o campo de possibilidades.

  • Assine já 1€/1 mês
  • 5
  • ...

A FRASE...

 

"Tenho de confessar-lhe que estou a viver isto como uma espécie de pesadelo. Acordo a pensar que isto vai passar, porque também temos de criar algumas defesas. Mas sempre com esta ideia de que alguém nos vai resolver isto. E esse alguém tem um nome: Europa. Não este ou aquele país, mas a Europa no seu conjunto."

Eduardo Lourenço, in Público, P2, em 19 de Maio de 2013

 

A ANÁLISE...

 

Em cada época, as sociedades operam dentro de um determinado campo de possibilidades. Nem tudo o que foi possível numa época transita para as épocas seguintes – e o talento político está em saber mudar o que estava estabelecido quando se altera o campo de possibilidades. Do mesmo modo, o que passa a ser possível em épocas posteriores não vai ficar acorrentado ao que foi convencionado em campos de possibilidade diferentes – e o talento político está em saber ajustar expectativas, comportamentos e procedimentos ao que passou a ser possível, abandonando o que já não será possível.

Na Europa que estava a evoluir em função da convergência do mercado único e da interiorização das quatro liberdades de circulação (produtos, pessoas, capitais e serviços) inscreveu-se uma bifurcação, com a unificação da Alemanha e o desaparecimento da União Soviética. Esta bifurcação foi selada com o lançamento da moeda única: imperfeita (sem banco central de plenos poderes), prematura (sem convergência de mercados) e perversa (elimina os distributivos e polariza nos competitivos). Depois daquela bifurcação, os campos de possibilidades da União Europeia e dos seus membros alterou-se radicalmente – não agora, mas entre 1992 e 1995. Quem não o compreendeu e não corrigiu a trajectória, então e agora, não teve, e não tem, talento político.

Este artigo de opinião integra A Mão Visível - Observações sobre as consequências directas e indirectas das políticas para todos os sectores da sociedade e dos efeitos a médio e longo prazo por oposição às realizadas sobre os efeitos imediatos e dirigidas apenas para certos grupos da sociedade.

maovisivel@gmail.com



Ver comentários
Mais artigos do Autor
Ver mais
Mais lidas
Outras Notícias