Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Opinião
Iván Pascual 20 de Outubro de 2014 às 09:50

Os ETF como forma de acesso a nichos nos mercados financeiros

Os ETF podem ser tão úteis para aqueles que procuram por investimentos nucleares como para os que desejam adicionar investimentos satélite às suas carteiras.

  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

 

À medida que a incerteza regressa aos mercados, aumenta também a oportunidade para os investidores apostarem num risco mais idiossincrático e uma das formas de o fazer é através de Exchange Traded Funds (ETF). Este género de produtos pode oferecer uma exposição diversificada, a um ou mais mercados, através de uma única transacção. Os ETF podem ser tão úteis para aqueles que procuram por investimentos nucleares como para os que desejam adicionar investimentos satélite às suas carteiras. No investimento núcleo/satélite, um núcleo de investimentos de longo prazo é estabelecido e a este podem ser adicionados outros investimentos especializados ou de nicho, de forma a melhorar a sua performance. Uma estratégia possível é usar os ETF como núcleo de forma a atingir um retorno em linha com os mercados. Fundos activamente geridos podem, então, ser utilizados como satélites de forma a tentar alcançar retornos acima do mercado, ou os ETF podem ser considerados como investimentos satélite também.


Os ETF podem ser utilizados para aceder a regiões geográficas, a sectores da indústria de fundos, bem como a subsectores do mercado obrigacionista. Exposições específicas, tais como o investimento em dividendos, podem também ser obtidas. Para os que investem em títulos de mercados emergentes, os ETF oferecem uma maior exposição a estes mercados a um baixo custo, assim como permitem a selecção de mercados específicos. Este facto é cada vez mais relevante, uma vez que as economias individuais dos mercados emergentes são divergentes, com algumas a alcançar resultados muito melhores do que outras. Um investidor pode querer seleccionar um ETF que oferece exposição a um país específico, como a Coreia ou a China, em vez de um com exposição a uma região como um todo. Existe também a possibilidade de investir em ETF de mercados emergentes em moeda local ou em ETF de mercados emergentes denominados em dólares americanos, por exemplo, para evitar um maior risco cambial. Temos visto investidores a regressar aos mercados emergentes, tanto através de fundos como em investimento directo, desde Abril de 2014. Os fluxos de Exchange Traded Product (ETP) - dos quais os ETF são a categoria maior - confirmam esta situação, particularmente na China. Só em Julho de 2014, fluxos líquidos de 1,3 mil milhões de dólares foram alocados a ETP de mercados emergentes domiciliados na região da Europa, Médio Oriente e África (EMEA), incluindo 0,2 mil milhões de dólares em acções regionais de mercados emergentes e 0,3 milhões de dólares em acções de países específicos.


Entretanto, no que se refere às obrigações, os ETF tornam-se, também, cada vez mais populares. Pode ser desafiante investir num portefólio de obrigações de empresas suficientemente diversificado, dados os mínimos de investimento permitidos e o facto de as obrigações serem comercializadas no mercado primário e não em bolsa. Os ETF de obrigações oferecem exposição a uma carteira diversificada, com flexibilidade no montante de investimento, e podem ser utilizados para expressar visões macroeconómicas. A título de exemplo, com a expectativa de que as taxas de juro no Reino Unido podem subir antes do inicialmente previsto, os investidores podem querer rever quão sensíveis são as suas posições em obrigações face às alterações das taxas de juro das obrigações de dívida pública. Os investidores que já detêm obrigações de empresas, seja por via de ETF, outros fundos ou emissões individuais, e que pretendem alguma protecção contra o aumento das taxas de juro, podem olhar para um ETF de obrigações empresariais com taxas de juro protegidas. Adicionar este ETF ao portefólio existente iria baixar a duração total e, consequentemente, o risco da taxa de juro. Para aqueles que actualmente não detêm obrigações de empresas - mas que gostariam de deter - e que estão preocupados com os aumentos das taxas, podem também procurar por obrigações a curto prazo, por exemplo, através de ETF investidos em obrigações com maturidades máximas de 5 anos. Se as suas perspectivas de investimento o levam a procurar acesso a mercados de nicho, então não precisa de procurar para além dos ETF para o atingir. 

 

Ver comentários
Mais artigos do Autor
Ver mais
Mais lidas
Outras Notícias