Patrícia  Abreu
Patrícia Abreu 29 de janeiro de 2018 às 20:47

Prejuízos dão direito a bónus milionários

Mais do que o valor milionário dos bónus, interessa saber se os resultados os justificam. E, pelos vistos não é isso que tem acontecido.

O Deutsche Bank registou o terceiro ano consecutivo de prejuízos. No início do mês, o maior banco europeu avisou que as fracas receitas de negociação e uma factura de 1,5 mil milhões de euros, devido ao plano fiscal norte-americano justificam "uma pequena perda após impostos" em 2017. Um resultado negativo que não vai, contudo, ter impacto na decisão de aumentar o pagamento de bónus. A instituição prevê gastar mil milhões de euros com este tipo de compensações. Em declarações à CNBC, o porta-voz do banco, Joerg Eigendorf, argumentou que o banco está numa posição financeira saudável e os bónus são justificados. "Decidimos que não devíamos punir o nosso quadro de pessoal por uma reforma fiscal que teve lugar nos EUA", adiantou o responsável. Os mil milhões estão, ainda assim, longe dos 2,4 mil milhões pagos pelo Deutsche Bank aos funcionários em 2015. Os bónus pagos pelo banco já chegaram à esfera política, com Martin Schulz a criticar os valores alocados a estas compensações, enquanto um porta-voz do governo adiantou à imprensa que o banco deve perguntar-se que "impressão [os bónus] deixa ao público". Mais do que o valor milionário dos bónus, interessa saber se os resultados os justificam. E, pelos vistos não é isso que tem acontecido.

 

Jornalista

pub