Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Opinião
Luis Queirós 31 de Agosto de 2009 às 11:49

Prosperidade e crescimento

O sistema que preside à organização económica e ao modo de viver das sociedades actuais, o qual modelou a presente "globalização", assenta num pressuposto indispensável: o crescimento contínuo da economia. Por tal modo que, até agora, a única via de...

  • Assine já 1€/1 mês
  • 2
  • ...
O sistema que preside à organização económica e ao modo de viver das sociedades actuais, o qual modelou a presente "globalização", assenta num pressuposto indispensável: o crescimento contínuo da economia. Por tal modo que, até agora, a única via de saída da crise actual, apresentada por economistas, políticos e responsáveis de todas as instâncias, é a famigerada "retoma". Entenda-se por isso a "retoma do crescimento económico".

Nos últimos 60 anos, o mundo assistiu a um crescimento exponencial da economia, em grande parte impulsionado pela disponibilidade de uma energia abundante e barata: os combustíveis fósseis. Nesse período, cresceu cinco vezes o PIB global, aumentou três vezes a população, subiram generalizadamente os níveis de conforto, saúde, mobilidade e bem-estar. Porém, e paradoxalmente, esse crescimento beneficiou mais uns países do que outros. De tal forma que, nas últimas décadas, as diferenças entre ricos e pobres se acentuaram, em lugar de diminuírem.

Desejável seria que esta tendência de crescimento pudesse continuar no futuro, por forma a assegurar o pleno emprego, a estimular a inovação, a incentivar o investimento e a concorrência. Mas parece cada vez mais evidente que tal não irá acontecer. Pode até ser necessário, se não mesmo vantajoso, que tal não aconteça. Muitos dos problemas actuais, como o aquecimento global, o esgotamento dos recursos energéticos, o desequilíbrio ambiental, e até as diferenças entre ricos e pobres, só poderão agravar-se com o crescimento.

Sendo previsível que a população mundial continuará a crescer, é lícito perguntar como vai compatibilizar-se esse crescimento populacional com a estagnação da economia, com o "pico" da produção energética, ou mesmo com a regressão dessa produção? Que respostas haverá para cerca de 1/3 da população mundial, (que na China, ou na Índia, ou no Paquistão, aspira a atingir os níveis de conforto dos países mais desenvolvidos), caso não lhe seja possível aceder a eles?

A nossa civilização enfrenta um desafio, importante e decisivo, porque global: para não agravar os desequilíbrios do planeta, (o aquecimento global, a poluição ambiental, a gestão dos recursos cada vez mais escassos), estamos condenados a viver sem crescimento. Os próprios economistas, enquanto anunciam a retoma ali ao virar da esquina, começam a dar-se conta da cruel realidade, e já falam de "economia estável". Embora pareça que ainda não encontraram a fórmula de a pôr em prática, nem ainda entenderam as leis que a governam.

O ser humano, como qualquer outro ser da criação, aspira à prosperidade, anseia por crescer e reproduzir-se, é o flourishing da vida. E na sociedade actual, o conceito de "prosperidade" está predominantemente ligado à posse de bens materiais. Para o cidadão comum é isso que traz felicidade. Está a chegar o momento de colocar a questão doutra maneira: é possível prosperar, sem acumulação de riqueza? Não só é necessário acreditar que sim, como também vai ser preciso pô-lo em prática.

Para sobreviver, a nossa civilização tem de encontrar formas de prosperar sem crescimento: uma prosperidade não centrada em conteúdos predominantemente materiais, em que se valorize mais o "ser" do que "ter", num mundo com novos valores e uma nova espiritualidade.

Nem será um caminho fácil, nem pode ser deixado ao arbítrio de cada um. E exigirá dos governantes muita sabedoria, se o quisermos percorrer em democracia. Porque abrir esse caminho será um exercício no fio da navalha: entre a ameaça do colapso, e a violenta regressão a regimes e tempos de totalitarismo.

A sociedade de consumo, baseada no materialismo, tem que ceder lugar a uma sociedade mais altruísta, baseada na solidariedade humana. No fundo implica uma nova moral, dir-se-ia até uma nova religião. À semelhança do papel que teve o Cristianismo, no colapso inevitável do Império Romano, defendendo a igualdade, a irmandade, o fim da escravatura e da exploração humana.

As "marcas" do moderno mercado vão ter que devolver aos deuses e aos heróis do passado as simbologias, os valores arquetípicos e a força mitológica de que oportunamente se apropriaram. Como dizia Alan S. Drake, "no futuro, o consumidor tem de voltar a ceder lugar ao cidadão; juntamente com a responsabilidade e os deveres que o conceito implica."

A mudança nas formas de comunicar, trazida pela Internet, poderá conter em si uma esperança nova. No campo da comunicação, é esta a terceira grande revolução da Humanidade, depois das descobertas da escrita e da imprensa. E se a "escrita" produziu a Bíblia e o Corão, e a "imprensa" nos trouxe Martinho Lutero e os ideais da Reforma, quem sabe se na Internet não andará a semente de uma nova religião. De uma nova forma de viver, na qual seja possível encontrar uma nova forma de prosperidade.
Ver comentários
Mais artigos de Opinião
Ver mais
Mais lidas
Outras Notícias