Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Opinião
Armindo Bento 04 de Outubro de 2004 às 13:59

«Que estratégia para o serviço público de transportes de passageiros?» (conclusão)

Os gestores das empresas públicas de transportes irão passar a receber prémios de gestão em função dos resultados que alcançarem.

  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

Os transportes públicos de passageiros sempre se contaram entre os serviços públicos, por serem essenciais à mobilidade das pessoas. A «democratização» da viatura individual não suprimiu a necessidade do transporte colectivo de passageiros, nem no âmbito urbano nem no âmbito interurbano, primeiro porque continua a haver uma considerável parte da população que não dispõe de automóvel, depois pela vantagem ambiental e social na utilização dos transportes colectivos. Comparada com a rede ferroviária, existe uma muito maior densidade da rede de transportes rodoviários, sendo estes portanto uma necessidade imprescindível da mobilidade em largas zonas do território. A ideia de serviço público consta também dos tratados da Comunidade / União Europeia, sob o nome de «serviços de interesse económico geral» (SEIG), sendo considerados como garantia da coesão social e territorial. O tratado de Roma consente desde o início as derrogações às regras da concorrência necessárias para permitir que tais serviços possam cumprir as suas missões. Entre essas derrogações conta-se naturalmente a admissão de concessões exclusivas, bem como a compensação financeira pública às empresas encarregadas da prestação desses serviços. Ainda recentemente a Comissão Europeia publicou um «Livro Branco» sobre os serviços de interesse geral, onde reafirma a sua importância. E de facto, nos diplomas comunitários que têm procedido à liberalização e abertura ao mercado dos serviços públicos tradicionais (telecomunicações, transportes, energia, etc.), a Comissão tem-se preocupado em definir, ou permitir aos Estados-membros que definam as obrigações de serviço público, bem como a forma de as financiar. Entre nós, com a privatização dos transportes rodoviários (que tinham sido nacionalizados em 1975), o serviço público de transportes rodoviários de passageiros interurbano voltou a ser prestado por empresas privadas em regime de concessão. Diferentemente do que sucede com os transportes urbanos – que entram na esfera dos municípios respectivos (salvo no caso de Lisboa e do Porto, onde cabem ao Estado) –, o serviço público interurbano pertence à responsabilidade do Estado. Isto quer dizer que compete ao Estado definir as necessidades de serviço público e efectuar as concessões necessárias, incluindo a definição das correspondentes obrigações de serviço público. Por conseguinte, não constitui obrigação dos municípios beneficiários, mas sim do Estado, arcar com a compensação eventualmente devida às empresas concessionárias. O mesmo sucede aliás com as indemnizações compensatórias pelos transportes ferroviários, bem como pelas ligações aéreas em regime de serviço público com alguns destinos das regiões autónomas e de certas regiões periféricas do Continente (Trás-os-Montes). A verdade porém é que, por falta de recursos financeiros ou por outra razão desconhecida, o Estado tem vindo a descurar as concessões rodoviárias, levando as empresas concessionárias, como se tem verificado, «a chantagearem abusivamente» os municípios para pagarem aquilo que o Estado não se mostra disposto a pagar, por o Estado não assumir as suas responsabilidades, pagam porém os transportes de Lisboa e do Porto. Ou seja, os pobres pagam para os ricos.

Dificilmente se poderia imaginar tamanha injustiça social!

Torna-se urgente um estudo sério a nível económico e um levantamento em todo o território nacional à cerca de quanto custa cumprir o serviço de transporte público concessionado pelo Governo, e cujos resultados deficitários se têm vindo a acumular. «A gestão inidónea só gera responsabilidade para com a sociedade quando implique a violação de específicos deveres legais, estatutários ou contratuais; seria importante começar por apurar a violação ilícita e culposa de direitos subjectivos ou de normas de protecção! «Será que no nosso País ninguém assume a responsabilização das políticas erradas?

Os gestores das empresas públicas de transportes irão passar a receber prémios de gestão em função dos resultados que alcançarem. Além de uma componente fixa, passarão a poder contar com uma verba variável em função da redução dos gigantescos prejuízos anuais das empresas. Esta é uma ideia estratégica do ministro das Obras Públicas e Transportes, António Mexia, por forma a motivar e, sobretudo, responsabilizar as futuras administrações. A sua ideia é aliciar gestores nacionais de topo, com bons currículos empresariais, para aplicarem modernas técnicas de gestão nas principais transportadoras públicas nacionais, reproduzindo a experiência de Fernando Pinto na TAP. Entretanto, o secretário de Estado Jorge Borrego, em entrevista a um semanário, declara a intenção de, em cinco anos, transformar as transportadoras públicas em empresas viáveis! Ver para crer como S. Tomé!! 

N.R.: Este é o último de um artigo do autor que, pela sua extensão, publicámos em oito partes nas últimas edições do Jornal de Negócios.

Ver comentários
Mais artigos do Autor
Ver mais
Mais lidas
Outras Notícias