Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Opinião
António Pista 12 de Agosto de 2008 às 13:02

Treinadores e teoria dos jogos

Quando falamos de futebol, pensamos em geral no jogo em si, no espectáculo que é o desporto-rei. Quando juntamos futebol e economia, ocorre imediatamente pensar nos milhões de euros que são gerados, seja em publicidade, salários ou transferências, neste desporto que é cada vez mais uma indústria.

  • Assine já 1€/1 mês
  • 2
  • ...
Quando falamos de futebol, pensamos em geral no jogo em si, no espectáculo que é o desporto-rei. Quando juntamos futebol e economia, ocorre imediatamente pensar nos milhões de euros que são gerados, seja em publicidade, salários ou transferências, neste desporto que é cada vez mais uma indústria.

Mas a ligação possível entre estes dois temas, à partida tão distintos, não se esgota nesta perspectiva: a análise económica pode ser um importante auxílio nesta modalidade que desperta paixões por todo o globo terrestre. Em particular, este estudo demonstra como um ramo específico da Economia, a Teoria dos Jogos, pode ser uma ferramenta muito útil para os treinadores no desempenho da sua profissão.

De facto, um dos principais agentes do futebol é o treinador, no seu papel de gerir os recursos humanos que irão fazer com que o clube tenha ou não sucesso. Por seu lado a Teoria dos Jogos é um ramo da economia que estuda de forma sistemática situações de interacção estratégica (jogos) entre agentes (neste caso os treinadores), que escolhem estratégias de forma a maximizar os seus pagamentos (resultados), tendo em conta as estratégias dos outros agentes.

Os resultados dos jogos são muitas vezes explicados pelo conceito de equilíbrio de Nash, que representa uma situação em que nenhum jogador pode melhorar a sua situação dada a estratégia seguida pelo jogador adversário.

Neste estudo aplicou-se a metodologia da Teoria dos Jogos à análise da interacção estratégica entre dois treinadores da Premier League inglesa, Sir Alex Ferguson (Manchester United) e Arsène Wenger (Arsenal), escolhidos por serem os treinadores com maior número de jogos entre si, em clubes de topo.

A definição de um "jogo" começa com a identificação das estratégias susceptíveis de ser utilizadas; num jogo de futebol estas estratégias podem ser definidas de várias formas. Neste caso, definiram-se três estratégias possíveis, atacantes, defensivas ou refrescantes, definidas de acordo com o carácter das substituições efectuadas.

Foram analisados 189 jogos dos dois treinadores, quer entre si, quer entre os seus clubes e os cinco primeiros classificados de cada época, desde 1996/97, para encontrar os pagamentos decorrentes de cada jogo. Depois de definidos as estratégias e os pagamentos, foi possível então calcular os equilíbrios de Nash para os jogos entre estes dois treinadores

Ao comparar estes equilíbrios com as escolhas efectuadas na realidade, foi possível concluir que nenhum dos treinadores utiliza as suas estratégias de equilíbrio. Foi ainda possível verificar que Arsène Wenger consegue estar bastante mais próximo das suas melhores estratégias que Sir Alex Ferguson. Consequentemente, podemos ver que Arsène Wenger tem conseguido resultados bastante melhores que Sir Alex Ferguson, conseguindo "virar o resultado" com maior frequência.

Este estudo desmistifica ainda a ideia de que quando uma equipa está a vencer deve defender para assim assegurar a vantagem: de facto mostra-se que, quando se está a vencer, deve-se antes refrescar ou atacar para assim garantir a manutenção da vantagem. Um exemplo de equilíbrio de Nash encontrado, para quando o jogo entre o Manchester United e o Arsenal está empatado, é que Sir Alex Ferguson deve sempre defender, enquanto Arsène Wenger deve variar entre refrescar e atacar: defender pode ser bom, mesmo quando se está empatado, dependendo da equipa em causa.

Este estudo abre as portas a um estudo mais exaustivo, com análises de mais variáveis e de mais jogos, que permita criar uma ferramenta que possa ser utilizada sistematicamente pelos treinadores, quer seja na definição da melhor estratégia para um determinado jogo, quer a um nível mais avançado, na definição do plantel consoante os objectivos do clube para uma determinada época.

Ver comentários
Mais artigos do Autor
Ver mais
Outras Notícias