Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Opinião

Uma saída limpa muito suja

Portugal vai sair limpinho da troika, depois do exercício forçado de desintoxicação de crédito, motivado por razões absolutamente artificiais e criadas nos laboratórios dos caçadores de "yields" (taxas de rendimento) altas.

  • Partilhar artigo
  • 15
  • ...

 

Para as "autoridades" internacionais o principal está feito. A Alemanha garantiu custos residuais de financiamento para muitos anos. E, mais importante, as taxas de juro elevadas da dívida pública portuguesa (e grega e irlandesa) deram muito dinheiro a ganhar a muitos investidores, depois de o mesmo ter acontecido com a Euribor, o petróleo, as matérias-primas alimentares, as "dotcom", os primeiros emergentes ou o ouro. O tubarão já fitou outra presa (os segundos emergentes?) e seguirá o seu caminho, deixando para trás uma carcaça a engordar até à próxima passagem. A única saída limpa que lhe interessa é a sua e essa foi razoavelmente garantida (as agências de "rating" continuam a fazer o seu trabalho de batedores, desbravando o caminho, por exemplo).

Portugal volta a ficar nas mãos dos seus decisores, cujas escolhas até à chegada da troika foram sendo feitas com base no instinto de auto-preservação e sobrevivência. Agora, com eleições no horizonte, já se pressente o mesmo instinto. O plano de obras públicas (cinco mil milhões para a construção!), as linhas de apoio a PME (seis mil milhões para PME!), a bandeira dos fundos comunitários (seis mil milhões para PME!). O guião volta a ser quase o mesmo (e ainda faltam os impostos).

Tudo isto servirá um único fim, mesmo que isso mantenha o país hipotecado aos credores internacionais, com custos ainda mais gravosos, à espera da próxima passagem do tubarão branco da "high yield". E com a economia sem programa.

O que surpreende nesta estratégia que já se desenha em São Bento é a convicção de que ainda há sobrevivência que justifique este instinto. Acreditar-se que se pode permanecer no poder depois destes longos e penosos meses de governação, marcada por subserviência internacional, gravíssimo défice democrático, falta de respeito pelas instituições ou pelos portugueses mais desprotegidos, erros de um amadorismo político assustador, acreditar-se que ainda se consegue convencer um par de milhões de eleitores a confiar neste Governo, é o cúmulo da falta de maturidade política. Passos Coelho e Paulo Portas quererão uma saída limpa. Mas não é de Portugal, é limpa de consciência e politicamente. Que acreditem que isso ainda é possível é só mais um tique de uma destruidora cegueira político-partidária.

*Editor de Empresas

Visto por dentro é um espaço de opinião de jornalistas do Negócios

Ver comentários
Mais artigos de Opinião
Ver mais
Outras Notícias