André  Veríssimo
André Veríssimo 11 de setembro de 2017 às 23:00

A sobranceria à solta

A popularidade do Governo e a falta dela na oposição conduzem com facilidade à sobranceria. E há já sinais preocupantes desse comportamento.

Quando o ministro da Defesa diz, na entrevista ao DN e à TSF, que, "no limite, pode não ter havido furto nenhum" em Tancos, exala sobranceria. Mesmo existindo a hipótese académica, não é curial o detentor da tutela vir dizê­-lo mais de dois meses depois do roubo, como se fosse normal continuarmos no actual estado de ignorância sobre o que se passou. Isto num caso que o próprio classificou como "grave".


No mais, a entrevista é um lavar de mãos. O apuramento de responsabilidades, Azeredo Lopes chuta-o todo para a hierarquia militar. Que não gostou, mas partilha, até ver, a culpa no cartório da inimputabilidade. Há processos a decorrer. Vejamos no que dão.


Em Pedrógão Grande, há essa mesma areia para os olhos dos inquéritos a decorrer, deixando intuir uma tentativa de que a culpa venha a morrer solteira lá pelas calendas. Não se trata de uma obsessão com a culpa, o argumento que o ministro arremessa a quem lhe pede consequências. É porque a assunção de responsabilidades é um passo essencial para garantir o respeito pelo Estado. E sem ela, dificilmente se operam verdadeiras mudanças.

Neste Governo, o reconhecimento de responsabilidades políticas pára nos secretários de Estado. Se a popularidade do Governo fosse outra, mais baixa, chegaria por certo aos ministros. Mas António Costa tem os seus "focus group" e eles sussurram-lhe que não é caso para tanto.

A sobranceria tem outras manifestações. Está na forma como o Governo rasga acordos e depois vem pedi-los à oposição. Está no condicionamento dos nomes escolhidos para a administração do Conselho de Finanças Públicas. Ou na escolha dos novos membros para a administração da Anacom, com ligações a um dos regulados e ao PS. Aqui houve, ao menos, o bom senso de recuar na decisão.

Estamos, ainda assim, muito longe da húbris que vimos em tempos não muito longínquos. Tempos a que Catarina Martins fez questão de aludir na entrevista ao Expresso publicada este fim-de-semana: "As pessoas conhecem as maiorias absolutas do PS." Disse-o para vincar que nesse cenário o Bloco de Esquerda nunca se associaria ao Governo. Até porque isso seria tóxico para os próprios e, já agora, para o país. É que, mesmo sem maioria absoluta, a arrogância já anda por aí à solta
pub

Marketing Automation certified by E-GOI