Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Opinião
André Veríssimo averissimo@negocios.pt 28 de Dezembro de 2015 às 11:45

Arriscar em 2016

No investimento, o que é confortável raramente é rentável. A frase do investidor norte-americano Robert Arnott ilustra bem o desafio que os investidores têm enfrentado. O próximo ano não será diferente.

  • Assine já 1€/1 mês
  • 2
  • ...

Cumprindo a tradição, o Investidor Privado termina o ano com as perspectivas para o próximo. 2015 correu em boa medida como há um ano aqui se antecipava. Um dólar forte, um impacto negativo da subida dos juros pela Reserva Federal nos países emergentes, a alta nas bolsas europeias e japonesas, com uma boa dose de volatilidade, acicatada sobretudo por factores políticos.


Ocorreram também episódios inesperados. Poucos antecipavam um desempenho quase nulo do mercado accionista americano ou achavam que o mercado chinês iria estar próximo do colapso. E talvez ninguém ainda vislumbrasse a hecatombe no preço do petróleo e de várias matérias-primas.


Para 2016, os estrategos voltam a estar optimistas para as acções europeias e japonesas. Seguir a evolução do balanço dos bancos centrais foi e deverá continuar a ser receita para o sucesso. É estar onde aqueles estiverem a crescer, alimentados por bilionários programas de compra de activos.


O lado negro desta força dos bancos centrais, é que os investimentos mais seguros, como os depósitos, vão continuar a render quase zero em 2016. Em muitos casos, até menos que a inflação, ameaçando o valor das poupanças. Isto não tem de ser uma inevitabilidade. Mas contrariá-la obriga a sair da zona de conforto.

Ter o dinheiro numa conta a prazo é fácil, mas não tem por ora retorno. Investir em acções ou obrigações oferece perspectivas de rentabilidade mais interessantes, mas acarreta o risco de perdas. Como o ano que agora termina mostra bem, há sempre imponderáveis. Mesmo com o seu exército de especialistas, muitos oriundos das melhores universidades e com enormes recursos à disposição, os bancos de investimento falham. O futuro tem essa particularidade chata de ainda não ter acontecido e portanto poder acontecer de modo diferente ao que dele no presente se quer fazer.


Mas é possível ser mais audaz com alguma segurança, evitando dissabores e embustes. Basta, além de estar bem informado das grandes tendências da economia e dos mercados, agarrar-se a alguns princípios básicos, que valem tanto ou mais que a prescrição dos analistas.


Conhecer bem o produto que se está a subscrever, diversificar os investimentos, definir as perdas que se está disposto a assumir. Mas sobretudo perceber que a poupança deve ter objectivos. E que cada objectivo tem o seu modo de poupar. O depósito a prazo ou o certificado de aforro são bons para um mealheiro de emergência. Mas não pode contar com eles para uma reforma mais folgada.

Bons investimentos em 2016!
Ver comentários
Mais artigos do Autor
Ver mais
Outras Notícias