Cronista
Celso Filipe Diretor-adjunto

Nasceu em 1964 e é atualmente diretor-adjunto do Jornal de Negócios. Frequentou o 4.º ano do curso de Comunicação Social da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Começou a atividade como jornalista em 1986 na revista “África Hoje”, tendo depois transitado para a “África Confidencial”, uma publicação de circulação reservada a assinantes. Como jornalista passou depois pelos semanários “Tempo”, “Semanário” e “Expresso”. Entre 1995 e 2005 esteve no “Diário Económico” onde desempenhou as funções de editor e chefe de redação. Entre 1998 e 1999 colaborou na Rádio Renascença com um comentário semanal sobre assuntos económicos. Em 2006 entrou no Jornal de Negócios como editor da secção de empresas.

Celso Filipe O pior Dinesh é o que não vê 23.09.2019 Celso Filipe
A cimeira do clima promovida pela ONU e a pressão crescente da sociedade são essenciais para que o combate às alterações climáticas se torne um ponto urgente na agenda dos governos e remeta figuras como Dinesh para a dimensão do ridículo, a única em que têm cabimento.
Celso Filipe As causas e as consequências 19.09.2019 Celso Filipe
Face ao crescimento do PAN, alguns opinadores (Pacheco Pereira, por exemplo) vieram atribuir responsabilidades aos jornalistas, considerando que estes estão a levar o PAN ao colo.
Celso Filipe A política com fronteiras 17.09.2019 Celso Filipe
Após o debate entre Rui Rio e António Costa elogiou-se a competitividade do primeiro e a segurança do segundo. Uns deram uma vitória tangencial ao líder do PSD, outros consideraram que o combate político se saldou por um empate técnico.
Celso Filipe Lágrimas de crocodilo 16.09.2019 Celso Filipe
David Cameron quis o referendo para se legitimar politicamente. Os britânicos trocaram-lhe as voltas e censuraram-no através de um referendo. Ou seja, ele fez exatamente o mesmo que Johnson, usou o Brexit para o ajudar na sua carreira política.
Celso Filipe Os estímulos e a política 11.09.2019 Celso Filipe
Os estímulos económicos têm sido uma recorrência desde a crise financeira de 2008. Na altura, os Estados Unidos reagiram rápido e mitigaram os efeitos provocados, sobretudo, pela falência do Lehman Brothers. Na Europa, o banco central foi mais lento na resposta e essa circunstância originou um retardamento do processo de recuperação.
Celso Filipe Um exame antiespuma 09.09.2019 Celso Filipe
Vivemos num período em que a comunicação instantânea se instalou, refastelada, no sofá do mediatismo. Por estes dias, vale a última frase, o esfíngico "soundbite" que tanto pode ser a garantia do sucesso como o bilhete sem volta para o inferno.
Celso Filipe O Brexit de João Pinto 04.09.2019 Celso Filipe
João Pinto, o defesa-direito que jogou no FC do Porto entre 1981 e 1997, clube pelo qual conquistou mais de uma dezena de títulos, teve a seguinte tirada, sagaz e irrefutável, quando lhe perguntaram sobre o que aconteceria num determinado encontro: "Prognósticos só no fim do jogo."
Celso Filipe A arritmia do mundo 02.09.2019 Celso Filipe
Curiosamente, neste mundo global, aquilo que mais nos continua a tocar é a proximidade ou a perceção de um qualquer acontecimento nos atingir de forma grave.
Celso Filipe O acordo! Qual acordo? 01.09.2019 Celso Filipe
António Costa, na passada semana, afastou a possibilidade de formar um governo de coligação com o PCP e o Bloco de Esquerda. Não podia ser de outra maneira. Se nesta legislatura não existiu, por que razão deveria acontecer após as eleições legislativas de 6 de outubro?
Celso Filipe A suspensão da democracia 28.08.2019 Celso Filipe
Segundo Winston Churchill, o carismático primeiro-ministro britânico, "a democracia é a pior forma de governo, com exceção de todas as demais". Boris Johnson, o atual chefe de governo britânico, acha que não. Ou melhor, considera que a democracia pode ser uma chatice quando colide com a sua estratégia, que por estes dias passa por conduzir a Reino Unido a um "hard" Brexit.

Marketing Automation certified by E-GOI