Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Opinião
Tiago Freire tiagofreire@negocios.pt 06 de Agosto de 2017 às 23:00

A bola é quadrada

Começou a rolar a bola, depois de um defeso novamente agitado. Como nos mostra o recente negócio estratosférico - e a roçar o obsceno - de Neymar Jr., o futebol movimenta cada vez mais milhões, num mundo globalizado de dinheiros sem sotaque, nem cor.

Por cá, fizemos as contas. O saldo entre compras e vendas de passes de jogadores é, até agora, de uns impressionantes 190 milhões de euros. Este é o valor líquido que os três maiores clubes portugueses encaixaram nesta janela de transferências, com destaque para o Benfica e, um pouco mais abaixo, o Futebol Clube do Porto. O fenómeno não é novo e é parte intrínseca do modelo de negócio que vai mantendo os clubes à tona: comprar barato jogadores incertos mas promissores e vendê-los mais caro, já com algum estatuto nas pernas. 


O resultado disto é a constante saída de talento, que mal começa a brilhar é arrebanhado por um punhado de milhões de euros. A conjugação desta estratégia com o aumento agressivo do poder financeiro de clubes de outras ligas não pode ter outro efeito que não seja o aumento inexorável do fosso de competitividade desportiva.

Isto não seria necessariamente mau se fosse fruto de uma estratégia coerente de equilíbrio financeiro. Seria uma escolha consciente: abdica-se de equipas competitivas no curto e médio prazo, para em troca sanear as contas dos clubes e das SAD. No entanto, apesar de todos os anos os principais clubes encaixarem milhões e milhões em transferências, não vemos uma redução consistente dos passivos. Leva à simples pergunta: para onde está a ir o dinheiro?

Por outro lado, é difícil encontrar novas fontes de receita, numa liga que não centraliza os direitos televisivos e cujos principais responsáveis vivem para o jogo de hoje, sem pensar na competição de amanhã. Como se pode tornar mais atractivo um espectáculo quando os presidentes dos principais clubes só têm uma estratégia, ganhar ou destruir a credibilidade de toda a competição quando isso não acontece?

O fosso financeiro não se irá estreitar até ao momento em que cair o tabu da propriedade dos clubes, quando se tornar aceitável que um xeque árabe ou um magnata angolano fique dono de uma equipa. Não é uma escolha fácil de fazer, mas a questão irá colocar-se mais tarde ou mais cedo.

Até lá, já seria um bom começo a valorização colectiva de um desporto que apaixona milhões. E que os dirigentes percebessem que o desportivismo não é uma coisa para totós, é algo que credibiliza a indústria como um todo e a torna em algo que não temos vergonha de mostrar aos nossos filhos, os potenciais consumidores do produto futebol, no futuro.
Ver comentários
Mais artigos de Opinião
Ver mais
Outras Notícias
Publicidade
C•Studio