Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Opinião
Celso Filipe - Diretor-adjunto cfilipe@negocios.pt 24 de Novembro de 2016 às 00:01

Marcelo e os assistemáticos

Sem nunca os identificar, Marcelo Rebelo de Sousa classificou ontem, na conferência do Negócios, o PCP e o Bloco de Esquerda como partidos assistemáticos.

  • Partilhar artigo
  • 1
  • ...
O conceito é curioso e serviu para o Presidente da República ilustrar o compromisso assumido por estes dois partidos de viabilizar o Governo PS de António Costa. "Também aqui se foi desenhando um consenso de regime", sustentou Marcelo Rebelo de Sousa.

No dicionário, o adjectivo assistemático tem a seguinte explicação: "Que não segue um sistema ou um método." Ao se comprometerem com um Governo PS, PCP e Bloco abdicaram dessa sua natureza para influenciar o sistema por dentro. "O arranque desta fórmula governativa era um conceito difícil, não há como o negar", acrescentou o Presidente, para mais adiante acrescentar que existe agora um caminho de confiança.

Pode até parecer que Marcelo Rebelo de Sousa, com este discurso, está a apoiar incondicionalmente o PS e a trair o PSD. Seria leviano pensar assim. O Presidente está a ser realista, convicto de que a melhor maneira de regenerar o sistema é trazer os assistemáticos para a equação.

Aliás, a expressão feliz de Marcelo tem todo o cabimento para ajudar a ler fenómenos políticos que espantaram o Ocidente, como o Brexit, a eleição de Donald Trump ou o crescimento das forças extremistas na Europa. Este caldo comunga todo a mesma natureza assistemática e o seu sucesso é explicado, em boa medida , pela incapacidade de o sistema absorver as suas reivindicações, transformando-as numa parte do todo.

Na Europa e nos Estados Unidos, marginalizaram-se os assistemáticos e o resultado tem sido a sua progressiva chegada ao poder. A tal ponto que o que agora se discute, tarde e a más horas, é a putativa capacidade do sistema para polir o Presidente eleito dos Estados Unidos e reduzir assim o seu grau de perigosidade.

Os sistemas de representação democráticos ocidentais passaram (e ainda passam) por um período de soberba que tem vindo a travar a sua regeneração. No pedestal da sua arrogância, destrataram os assistemáticos e os resultados estão tristemente à vista de todos. Em vez de liderarem processos de transformação sociais, andam a reboque dos acontecimentos, porque se esqueceram que a democracia é tanto mais rica quanto mais diversa for. Chegou, por isso, a hora de perceber a lição dos assistemáticos. 

Ver comentários
Mais artigos do Autor
Ver mais
Outras Notícias