Patrícia  Abreu
Patrícia Abreu 11 de junho de 2018 às 21:50

Fed pronta para subir juros, mas sem pressas 

Os eventos de política monetária enchem a agenda esta semana. Reserva Federal dos EUA, Banco Central Europeu e Banco do Japão tomam, nos próximos dias, decisões sobre a sua política monetária.

Enquanto na Europa e no Japão o discurso ainda continua focado nos estímulos, do outro lado do Atlântico a conversa é outra. Jerome Powell, que já subiu juros por uma vez este ano, prepara-se para anunciar a segunda subida de 2018. A expectativa dos economistas é de que a taxa dos fundos federais suba em 25 pontos base, para um intervalo entre 1,75% e 2%. Esta será a sétima subida de juros desde que a entidade iniciou o ciclo de subidas. Apesar de a entidade continuar determinada na normalização das taxas de juro, Powell deverá reiterar uma mensagem cautelosa. Ou seja, o presidente da Fed vai garantir aos investidores, uma vez mais, que não há pressa na subida dos juros. O ritmo de normalização será gradual. "Não estamos num ponto em que a Fed precisa de se preocupar com a subida da inflação", argumenta Ellen Zentner, economista do Morgan Stanley, citado pelo MarketWatch. Com passinhos de bebé, o banco central dos EUA não desestabiliza o mercado financeiro, ao mesmo tempo que leva os juros para níveis que considera adequados.

 

Jornalista

A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado O que estão a prever os Mercados de Futuros Há 1 semana

Segundo as previsões que decorrem das cotações dos Mercados de Futuros, a probabilidade de não haver aumento no dia 13, por agora é de 7.5%, e de um aumento sem sair da faixa 1.75-2.0, é de 92.5%.

Como diria Erich Maria Remarque, "A Oeste nada de novo", não havendo quaisquer sinais de ofensiva de um Bear Market.
O meu "ensemble" de indicadores num modelo de Market Timing recalibrado na semana passada estava-me hà momentos a recomendar uma exposição, num grau superior a 80%, a ativos de risco.
No entanto continuo com o "credo na boca" e com numerosas "sentinelas avançadas" em "estado de alerta" amarela.

comentários mais recentes
General Ciresp Há 1 semana

Oh minha Malandrota inagualavel,enquanto no velho continente se vai induzindo a inflacao em COMA,na terra de Trump vao dando palpites se as tx de juro este ano vao 3ou4x subirem.O xikinho draghi meteu-se numa alhada q nem ele proprio sabe como se livrar dela.A EU continua a viver uma farsa.

O que estão a prever os Mercados de Futuros Há 1 semana

Segundo as previsões que decorrem das cotações dos Mercados de Futuros, a probabilidade de não haver aumento no dia 13, por agora é de 7.5%, e de um aumento sem sair da faixa 1.75-2.0, é de 92.5%.

Como diria Erich Maria Remarque, "A Oeste nada de novo", não havendo quaisquer sinais de ofensiva de um Bear Market.
O meu "ensemble" de indicadores num modelo de Market Timing recalibrado na semana passada estava-me hà momentos a recomendar uma exposição, num grau superior a 80%, a ativos de risco.
No entanto continuo com o "credo na boca" e com numerosas "sentinelas avançadas" em "estado de alerta" amarela.

Anónimo Há 1 semana

Primeiro que o general ciresp ! \(^_^)/

Anónimo Há 1 semana

Primeiro que o general ciresp ! \(^_^)/

pub