Patrícia  Abreu
Patrícia Abreu 05 de dezembro de 2018 às 19:25

Máquinas controlam o "sell-off" nas bolsas? 

Guerra comercial, taxas de juro, crise em Itália. Estas têm sido as justificações mais recorrentes para o mau momento que os mercados financeiros atravessam.

Mas, apesar dos riscos crescentes nos mercados, os principais bancos de investimento mantêm-se fiéis às suas previsões de resultados positivos nas bolsas. E atribuem a responsabilidade da pressão vendedora nas acções às máquinas, uma vez que os movimentos são determinados pela reacção rápida a notícias reportadas no curto prazo, em detrimento da análise de fundamentais de longo prazo. Segundo uma notícia da CNBC, o grosso das ordens já é dado por computadores. "80% do volume diário nos EUA é feito por máquinas. Então o que se obtém é uma falta de foco nos resultados e perspectivas, concretizando-se movimentos de curto prazo baseados em dados específicos que são emitidos todos os dias e que criam ruído", explica Guy de Blonay, director do fundo de investimento Jupiter Asset Management, em declarações à CNBC. Ao utilizarem modelos matemáticos avançados para acelerar as decisões de negociação, estes modelos podem acabar por criar um "sell-off" no mercado. Num mundo dominado por máquinas, este é o novo normal.

 

Jornalista

pub