Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Opinião
Raquel Godinho rgodinho@negocios.pt 29 de Novembro de 2018 às 21:50

O que é que nos diz a relação com o presidente?

Um paper publicado em Novembro por Elisabeth Kempf, da Universidade de Chicago, e por Margarita Tsoutsoura, da Universidade de Cornell, quis relacionar a simpatia dos analistas com o presidente e os "ratings" atribuídos.

De acordo com o documento citado pela Bloomberg, as autoras quiseram avaliar como é que as preferências pessoais dos analistas podem afectar o processo de análise financeira. E concluíram que os "ratings" das obrigações são mais negativos quando são determinados por alguém que não se identifica com o partido do presidente.

 

"Os analistas que não são filiados no partido do presidente dos Estados Unidos são mais propensos a um ajustamento em baixa do 'rating' das empresas", escrevem as autoras. Em média, um analista que não está próximo do partido no poder desce a notação em 0,015 níveis mais do que outro especialista, no mesmo período. E este efeito é aumentado quando o conflito entre os partidos se acentua. Nestes períodos, o efeito é 75% superior.

 

O mesmo acontece durante os períodos de eleições e quando os analistas estão mais activos politicamente. Foram analisados cerca de 450 analistas que, no conjunto, avaliam mais de 1.700 empresas. Alguns analistas têm dificuldade em ignorar ideologias.

Ver comentários
Mais artigos do Autor
Ver mais
Outras Notícias
Publicidade
C•Studio