Outros sites Cofina
Notícias em Destaque
Opinião
Eva Gaspar - Jornalista egaspar@negocios.pt 26 de Fevereiro de 2015 às 00:01

Schäuble

O seu rosto grave e circunspecto terá entrado pela primeira vez na casa de muitas famílias portuguesas em Fevereiro de 2012, quando um repórter da TVI captou uma conversa que se pretendia discreta de Vítor Gaspar, antes do início da tradicional reunião mensal, em Bruxelas, dos ministros europeus das Finanças.

  • Partilhar artigo
  • 15
  • ...

 

O programa de ajustamento da troika levava pouco mais de seis meses de execução, a economia europeia entrara em recessão e Gaspar já então sabia que as metas orçamentais acordadas não poderiam ser cumpridas, apesar de publicamente não o assumir. "Depois de serem tomadas decisões substanciais sobre a Grécia - isso é essencial - e se nessa altura houver necessidade de um ajustamento do programa português, estaremos disponíveis para o fazer", respondeu.


Tornada pública, a troca de palavras entre os dois ministros bastou para acalmar as taxas de juro da dívida nacional, confirmou que nada na Europa se faz sem o assentimento alemão - o que não é sinónimo de que tudo se faça segundo a vontade da Alemanha -, e foi profusamente interpretada em Portugal como uma demonstração de subserviência, plasmada na figura curvada do ministro português perante o seu homólogo alemão que não se dignara a levantar-se para o cumprimentar. Wolfgang Schäuble está amarrado a uma cadeira de rodas há 24 anos.


Formado em Direito, casado e pai de quatro filhos, o antigo ministro da Chancelaria e ministro do Interior de Helmut Kohl esteve na primeira linha das negociações do Tratado que levou à reunificação da Alemanha. Nove dias depois desse 3 de Outubro de 1990 que mudou o mundo, um demente disparou três vezes sobre o seu corpo. A ferida no rosto permanece, mas fechou; já a lesão na medula provocou uma mudança tragicamente irreversível no seu quotidiano.

 

"O melhor chanceler que a Alemanha nunca teve", na expressão de Ian Traynor, editor de Europa do The Guardian, poderá dever essa circunstância ao facto de ser um "aleijado", mas também ao envolvimento no escândalo de financiamento oculto que abalou a CDU no final da década de 90, destronando Helmut Kohl do pedestal dos intocáveis e abrindo a porta à ascensão algo inesperada de Angela Merkel, que o substituiu após dois curtos anos à frente do partido. O genuíno delfim de Köhl nunca escalou até ao topo da montanha. Mas nunca ficou longe. À adversidade, trata-a por tu. À política, também.


Conta Hans-Peter Schütz, que publicou uma biografia sua em 2012, que dois dias depois da tentativa de assassinato pediu à mulher que lhe passasse a ler os jornais junto à cama do hospital. E, quando ainda mal falava, começou a ditar trechos do que viria a ser um livro sobre a unificação alemã. "É totalmente viciado em política". Ulrike Guérot, do Conselho Europeu de Relações Exteriores, de Berlim, que trabalhou de perto com Schäuble nos anos 90 na sede da CDU, acrescenta: "Ele sacrificou-se pelo país. Trabalha 70 horas por semana."


Exigência máxima. Pavio curto.

 

No fim dessa imensa entrega e de exigência consigo mesmo, há um pavio muito curto. Em Novembro de 2010, um mês depois de ter passado quatro semanas internado por causa de uma ferida que não sarava e que alimentou rumores de iminente demissão, suspendeu uma conferência de imprensa depois de ter publicamente repreendido o seu porta-voz por este não ter entregue a tempo o dossiê de "background" aos jornalistas. Cinco dias depois, Michael Offer apresentou a demissão. Nessa mesma semana, Schäuble reconheceu que "talvez tenha exagerado", mas já muita tinta havia corrido em torno das suas tiradas irascíveis que pontuam o jeito lúdico e quase alegre com que faz política.


À excepção de Jean-Claude Juncker, o ex-primeiro-ministro do Luxemburgo agora na presidência da Comissão, Schäuble é o único político da União Europeia ainda em funções que assistiu ao nascimento do euro em Maastricht, em 1992. Aos 72 anos é também o mais longevo parlamentar alemão. "É o único que resta no Governo que conhece toda a História", assegura Guérot à Der Spiegel.


Depois de ter sido também seu ministro do Interior, é desde 2009 ministro das Finanças dos sucessivos governos Merkel que, sendo a "CEO" da maior economia europeia, não dará um passo sem ouvir o verdadeiro "chairman", muito embora lhe tenha travado o caminho para chegar à presidência do país. "Eles não são amigos. Estão unidos por lealdade. Dependem um do outro", relata Schütz.


Luterano e devoto de Bach, Schäuble esteve desde o primeiro dia na torre de controlo da gestão da crise do euro. Curiosamente, tem uma espécie de plano de salvação, escrito há quase duas décadas. Em 1994, ainda sem euro e com a Europa a Doze, o à época presidente do grupo parlamentar no Bundestag publicou um controverso "paper" a quatro mãos com Karl Lammers, também membro da CDU, em que defendia a inevitabilidade de um "núcleo duro" numa Europa progressivamente alargada, e a necessidade de uma economia e moeda transnacionais serem alicerçadas em instituições submetidas a uma legitimação democrática, também ela transnacional.

 

Um Tesouro, um ministro das Finanças, um parlamento especial para o euro, é a estrutura da nova Europa que há muito tem na cabeça. "Não defendo um superestado". "No cenário óptimo, deveríamos ter um ministro europeu das Finanças com poder de veto sobre propostas de Orçamento dos Estados e por quem teria de passar a aprovação de novo endividamento. Mas continuaria a ser cada país a decidir como aplicar essa margem orçamental. No fundo, saber se devemos apoiar mais as famílias ou a construção de infra-estruturas será uma escolha sempre nacional", dizia à Der Spiegel, em Junho de 2012. Nesse contexto de maior integração política, mecanismos de mutualização de dívida é algo que o ministro não rejeita. Dois anos depois, Schäuble confirma que não é a cadeira de rodas que lhe tira a pressa. Por sua vontade, diz ao Negócios, um ministro das Finanças do euro seria decidido "amanhã".


Esse "amanhã" exigirá, porém, referendos, também na Alemanha, onde nunca houve consultas sobre o euro porque sempre se pressentiu a vitória do "não". Esse "amanhã" dificilmente será, portanto, no seu tempo. Nesse "amanhã", Schäuble acaba por revelar o desprendimento de um homem que nada tem a perder, que conseguiu quase tudo o que desejava, mas que também já não poderá ter o que mais queria.

 

PS: O Negócios publicou este perfil em Junho de 2014, na sequência da entrevista ao ministro alemão. Volto a publicar este meu texto aqui e agora porque me dou conta de que a argumentação está demasiadas vezes com demasiada virulência a ser trocada pela estigmatização. Faço-o na expectativa de que, revelada a riqueza do personagem, mais se revele a pobreza da caricatura.

Ver comentários
Saber mais Gaspar Grécia Europa Alemanha Wolfgang Schäuble Helmut Kohl Ian Traynor perfil caricatura
Mais artigos do Autor
Ver mais
Outras Notícias