Eva  Gaspar
Eva Gaspar 20 de agosto de 2014 às 20:00

Bem-digo

Muito se maldiz. Dá gozo, rende aplausos, não compromete e, acima de tudo, é muito fácil maldizer. Mais ainda quando feito em matilha - todos a ladrar e a morder sem correr riscos demasiados.

 

Para não destoar, vou maldizer – os maldizentes. O que me move é ajudar a esclarecer. E começo por esclarecer que nunca estive com ela. Nunca sequer respirei o mesmo ar que ela. Conheço-a basicamente a partir do que me mostram os seis écrans de tv que rodeiam o ponto em que me sento neste momento (lá em casa, tv é quase só para mostrar futebol).

 

Há uma mentira que se lhe cola há mais de um ano por causa dos contratos swap.  Diz-se  que mentiu porque disse que tinha "começado do zero" quando, afinal, o anterior Governo já tinha reunido e entregue ao actual alguma informação sobre o assunto. 

 

Bem sei que, nestes tempos de redes sociais, o que está a dar é ter opiniões rápidas e impiedosas. Não consegui ter opiniões rápidas (embora não tão lentas que demorassem um ano a formar) nem tirar conclusões definitivas pelo que ouvi e li (ainda na semana passada, o Expresso escrevia que as suas contradições levaram à instauração de uma comissão de inquérito pela Assembleia da República). Na dúvida, acabei a ler as longas actas da comissão parlamentar de inquérito que, de facto, existiu: a Comissão Eventual de Inquérito à celebração de contratos de gestão de risco financeiro por empresas do sector público. E, na longínqua página 76, o que está lá é isto: 

 

"O Sr. Paulo Sá (PCP): - A Sr.a Secretária de Estado quase que disse que teve de começar o trabalho do nada, que não vinha do anterior Governo nenhum trabalho feito nesta área. É isto que quer dizer?

 

A Sr.a Secretária de Estado do Tesouro: - Sr. Presidente, Sr. Deputado, de facto, relativamente a esta matéria e para lidar com o problema, não havia nenhum trabalho feito e ele começou do zero, sim. Confirmo isso. Tirando o reporte da informação, que tinha já sido estabelecido na vigência do Governo anterior, tirando o reporte da informação nos relatórios da DGTF, de facto, nada mais estava feito."

 

Omitir parte do que é dito para, com a restante, alimentar acusações de mentira pode ser má-fé, preguiça, distração, vai-na-onda, ou tudo junto. Bom serviço público, é que não é.

 

Sobra o sentido de Estado de Maria Luís Albuquerque.

Bem-digo, portanto.

pub

Marketing Automation certified by E-GOI