Outros sites Cofina
Notícia

Incêndios: “Drones têm raio de ação de 100 km”, diz Matos Fernandes

A Força Aérea vai comprar 12 drones, financiados pelo Fundo Ambiental, que este verão vão servir para reforçar a vigilância aos incêndios florestais, mas que no próximo ano, garante o ministro do Ambiente, poderão ser usados para auxiliar no combate.

Maria João Babo mbabo@negocios.pt 28 de Maio de 2020 às 17:30
Lusa
  • Assine já 1€/1 mês
  • ...

Ao Negócios, João Pedro Matos Fernandes adiantou que os 12 drones, no valor de 4,5 milhões de euros, têm capacidade para voar 10 a 12 horas e um raio de ação de 100 quilómetros relativamente a quem os está a manobrar . “Já estão definidas as seis bases no país onde vão atuar, cada uma com dois drones, localizadas do Algarve ao Alto Minho e Trás-os-Montes”, adiantou o ministro, salientando a capacidade de atuarem durante 24 horas.

Se agora irão servir para reforçar a vigilância aos fogos florestais, mais tarde “esses drones vão poder ser utilizados pelos serviços do Ministério do Ambiente , que é quem os paga, para a vigilância da costa, das pedreiras, das áreas protegidas e até para a elaboração do cadastro”. “Este ano ainda não, porque é preciso integrar as bases, mas no próximo ano já poderão ser úteis para o próprio auxílio ao combate aos incêndios”, garantiu.

O ministro salientou ainda que o adiamento por um mês do prazo para a limpeza dos terrenos não se deveu apenas às restrições provocadas pelo surto da covid-19, mas pela informação que lhe foi transmitida pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera e pela Agência para a Gestão Integrada de Fogos Rurais que “até ao fim de maio o risco de incêndio não seria elevado”. No âmbito do reforço da vigilância, Matos Fernandes realçou, a par dos drones, uma outra mudança, a coordenação a cargo da GNR.

Mais notícias


A sustentabilidade é o grande desafio do nosso tempo.O Negócios abraça esta causa com um amplo projeto editorial que conta com o Alto Patrocínio da Presidência da República e o apoio de várias marcas.