Outros sites Cofina
Notícia

Temos uma década para fazer a transformação digital do mundo

As tecnologias podem ajudar a tornar o mundo mais sustentável, a nível social, económico e ambiental, ao acelerarem o cumprimento de cada um dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável até 2030. Na Europa, um guião para a transformação digital já está delineado.

Sónia Santos Dias 18 de Outubro de 2021 às 14:00
  • Partilhar artigo
  • ...

Em 2015, os 193 Estados-membros da Organização das Nações Unidas (ONU) aprovaram por unanimidade a resolução "Transformar o nosso mundo: Agenda 2030 de Desenvolvimento Sustentável", constituída por 17 objetivos, desdobrados em 169 metas. O propósito final é transformar um mundo repleto de desigualdades, abordando várias dimensões do desenvolvimento sustentável: social, económico e ambiental. Uma agenda de transformação ambiciosa em que a tecnologia tem um papel central.

Segundo estimativas da ONU, as tecnologias digitais avançaram mais rapidamente do que qualquer outra inovação na história da Humanidade, atingindo cerca de 50 por cento da população do mundo em apenas duas décadas e transformando a sociedade a todos os níveis.

Ao aumentar a conectividade e facilitar o acesso ao conhecimento, comércio e serviços públicos, a tecnologia é um grande equalizador social. E também é a chave para um mundo mais verde, na medida em que as inovações tecnológicas estão a ajudar no objetivo de descarbonizar a sociedade, fomentar a economia circular, tornar as cidades mais sustentáveis, entre muitas outras transformações. A Organização Internacional do Trabalho estima que a mudança para uma economia mais verde poderá criar 24 milhões de novos empregos globalmente até 2030, por meio da adoção de práticas sustentáveis no setor de energia, do uso de veículos elétricos e do aumento da eficiência energética em edifícios existentes e futuros.

Mas, por outro lado, relatórios de grupos como a McKinsey sugerem que 800 milhões de pessoas podem perder os seus empregos devido à automatização de serviços até 2030. Ou seja, as tecnologias também podem ameaçar a privacidade, a segurança e acentuar as desigualdades. Portanto, gerir estes desenvolvimentos e encontrar consensos é matéria de muita discussão, nacional e internacional, numa altura em que várias tensões geopolíticas se adensam.



80% da população europeia, até 2030, deve ter competências digitais básicas.

20 milhões de pessoas especialistas em tecnologias de informação e comunicação.

75% das empresas da União Europeia devem usar clouds, inteligência artificial e big data por volta de 2030.

90% das PME devem atingir o nível básico de intensidade digital.

80% da população europeia deverá usar um ID digital.


Para acompanhar a transformação digital do mundo, o Fórum Económico Mundial criou a Iniciativa de Transformação Digital (DTI, sigla em inglês), que oferece perceções exclusivas sobre o impacto das tecnologias digitais nos negócios e na sociedade em geral. Esta iniciativa identifica e quantifica dados provenientes de múltiplas fontes para criar o quadro desta transformação digital no mundo. A DTI estima que a digitalização na indústria e na sociedade pode criar um impacto de cerca de 100 triliões de dólares na próxima década.

Europa com guião para a transformação digital

Em setembro de 2021, a Comissão Europeia propôs o Caminho para a Década Digital, um plano concreto para alcançar a transformação digital da sociedade e da economia da Europa até 2030. O documento traduz as ambições digitais da UE para 2030 num mecanismo de concretização efetivo. Desta feita, pretende criar um quadro de governação baseado num mecanismo de cooperação anual com os Estados-membros, a fim de alcançar as metas do Caminho para a Década Digital em quatro eixos principais: competências digitais da população, infraestruturas digitais de comunicação, digitalização das empresas e digitalização dos serviços públicos.

O primeiro objetivo pretende que, até 2030, 80% da população europeia tenha competências digitais básicas e que pelo menos 20 milhões de pessoas sejam especialistas em tecnologias de informação e comunicação, com grande preocupação aqui de paridade de género nestas competências. Para um bom ecossistema digital, as infraestruturas digitais devem ser seguras e sustentáveis. A Europa também deverá ter acesso à tecnologia 5G em qualquer lugar.

No campo da transformação digital dos negócios, o guião tem como meta que 75% das empresas da União Europeia usem clouds, inteligência artificial e big data por volta de 2030. E para aqueles que se transformem mais lentamente, espera-se que pelo menos 90% das PME atinjam o nível básico de intensidade digital. Já na administração pública, os principais serviços públicos deverão estar 100% online e 80% da população deverá usar um ID digital.

Um sistema de acompanhamento estruturado, baseado no índice de digitalização da economia e da sociedade (IDES), medirá os progressos na execução de cada uma das metas fixadas para 2030, incluindo indicadores-chave de desempenho. E todos os anos a Comissão Europeia apresentará ao Parlamento Europeu e ao Conselho da União Europeia um relatório sobre o estado da Década Digital na Europa.

Em 2026, as metas de transformação digital com vista a uma Europa mais sustentável a nível social, económico e ambiental serão sujeitas a um balanço para reformulação de recomendações específicas, destinadas aos Estados-membros, caso se venha a verificar necessário.

Mais notícias

A sustentabilidade é o grande desafio do nosso tempo.O Negócios abraça esta causa com um amplo projeto editorial que conta com o Alto Patrocínio da Presidência da República e o apoio de várias marcas.