Outros sites Cofina
Notícia

Pedro Nuno Santos: “Sem justiça social não haverá transição climática sustentável”

Alcançar o bem-estar urbano num contexto de sustentabilidade implica saber articular as diferentes políticas setoriais, naquele que é um organismo vivo e dinâmico em constante crescimento e transformação.

Negócios 07 de Outubro de 2021 às 21:11
  • Partilhar artigo
  • ...

As questões ambientais, sociais e de governação entrecruzam-se em particular nas cidades e contextos urbanos, começou por salientar o ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, na abertura institucional do debate "Bem-Estar e Cidades Sustentáveis – Utopia ou realidade?", que teve lugar a 7 de outubro, naquele que é o segundo ciclo de talks sobre sustentabilidade organizado pelo Jornal de Negócios. Tal acontece na medida em que as cidades concentram, pela sua própria natureza, os maiores problemas, desafios e oportunidades que se colocam à sociedade como um todo.

Desafios que tendem a aumentar, considerando que mais de metade da população mundial vive atualmente em centros urbanos, valor este que deverá chegar aos 70% em 2050, segundo projeções da OCDE. "Percebemos hoje que as cidades estão particularmente sobre-expostas. Há intensificação dos riscos sistémicos globais, sobretudo os relacionados com as alterações climáticas, as crises financeiras ou as crises pandémicas. Riscos sistémicos esses que importa gerir e isso é também cada vez mais importante sobre os princípios da prudência, da antecipação e da capacidade de resiliência de resposta", referiu o ministro.


Neste contexto, a crise pandémica evidenciou a centralidade da habitação na vida das pessoas e das comunidades. "Percebemos hoje, melhor do que nunca, a importância para a saúde individual e coletiva da existência de condições dignas de habitabilidade, tanto em termos de edificado como de lotação, bem como a importância de assegurar a todos o acesso a um alojamento digno e compatível com o rendimento das pessoas e das famílias", destacou Pedro Nuno Santos.

No cenário das cidades, todas as dimensões devem ser percecionadas de forma articulada. Para o ministro das Infraestruturas e da Habitação, "refletir sobre o bem-estar urbano e a questão da sustentabilidade obriga-nos a saber articular cada vez mais e melhor as diferentes políticas setoriais. A título de exemplo, sabemos hoje melhor que a questão da habitação não pode ser equacionada sem a questão dos transportes e da mobilidade. Tal como a questão do bem-estar nos obriga a interpelar a política de rendimentos, a estabilidade no trabalho, a configuração em que assenta a estrutura residencial urbana e o necessário equilíbrio entre os diferentes setores e funções económicas das cidades. Isso leva-me a outro ponto que me parece importante. É que sem justiça social, sem políticas participadas e coordenadas que procurem estabelecer novos equilíbrios não haverá transição climática sustentável."

Mais notícias

A sustentabilidade é o grande desafio do nosso tempo.O Negócios abraça esta causa com um amplo projeto editorial que conta com o Alto Patrocínio da Presidência da República e o apoio de várias marcas.