Trading CEO da Walgreens perde mais de mil milhões de dólares num só dia

CEO da Walgreens perde mais de mil milhões de dólares num só dia

As ações da empresa do ramo farmacêutico caíram quase 13% depois da divulgação dos resultados e do corte do guidance, tirando uma fatia de mais de mil milhões de dólares à riqueza do seu CEO.
Negócios com Bloomberg
Negócios com Bloomberg 04 de abril de 2019 às 13:20

Stefano Pessina, CEO da Walgreens Boots Alliance, perdeu quase 1,2 mil milhões de dólares numa sessão negra para as ações da empresa do ramo farmacêutico, que está entre as 20 maiores companhias dos Estados Unidos em termos de volume de receitas.

 

Esta semana, a empresa, que detém a cadeia de farmácias Walgreens e a retalhista Boots, anunciou lucros abaixo do esperado e cortou o guidance para o conjunto do ano fiscal levando os títulos a afundar em bolsa. Na terça-feira, as ações afundaram um máximo de 13,37% para 55 dólares, tendo fechado o dia com uma desvalorização de 12,81% para 55,36 dólares. Desde o início do ano, a Walgreens já desce 19,74% e tem agora uma capitalização bolsista de 50,14 mil milhões de dólares. 

 

Com esta descida, Pessina, que detém 15,4% da empresa, viu a sua fortuna diminuir em 1,18 mil milhões de dólares (cerca de 1,05 mil milhões de euros), de 11,35 para 10,17 mil milhões de dólares, segundo o índice de bilionários da Bloomberg.  

 

Na quarta-feira, as quedas prolongaram-se, com as ações a tocarem nos 54,48 dólares, o valor mais baixo desde setembro de 2013.

 

Pessina, que vive no Mónaco, já admitiu que os últimos três meses foram os mais difíceis do seu mandato como CEO da Walgreens Boots Alliance. Nas suas farmácias, que representam dois terços das vendas nos Estados Unidos, até foram vendidos mais medicamentos com receita, mas o negócio foi penalizado pela descida dos reembolsos das seguradoras. Ao mesmo tempo, as vendas comparáveis caíram 3,8%, com uma diminuição da venda de medicamentos não sujeitos a receita médica e produtos de tabaco.  

 

O negócio da Walgreens nos Estados Unidos "está sob ameaça", referiu o analista da Evercore ISI, numa nota aos clientes, citada pela Bloomberg, acrescentando que os resultados da empresa foram ainda piores do que a estimativa mais pessimista. Na conference call, Pessina admitiu que a gestão da empresa antecipou esta tendência de quebra, mas não foi rápida o suficiente a responder.

 

Pessina ficou com uma participação na Walgreens em 2012, quando a empresa comprou uma posição de 45% na Alliance Boots, a cadeia britânica de farmácias que ele liderava na altura. A Walgreens comprou os restantes 55% da Alliance Boots no final de 2014, altura em que a fortuna de Pessina era de 11,7 mil milhões de dólares. Cerca de seis meses mais tarde, já havia aumentado para 15,3 mil milhões de dólares.



Conheça mais sobre as soluções de  trading online da DeGiro.

Marketing Automation certified by E-GOI