Outros sites Cofina
Notícias em Destaque

Joaquim Sampaio Cabral: "O aumento da longevidade só se justifica com qualidade de vida“

Órgãos bio-artificiais ou gerados através de impressão 3D. Pulmões transplantados de uma espécie para outra. Células estaminais combinadas com genes antienvelhecimento. Um mundo que parece ficção científica, mas não é. É a medicina regenerativa à procura da longevidade e até da imortalidade. É sobre isso que fala Joaquim Sampaio Cabral, fundador do Departamento de Bioengenharia no IST.
Lúcia Crespo e Mariline Alves - Fotografia 03 de Julho de 2020 às 11:00

Órgãos bioartificiais ou gerados através de impressão 3D. Pulmões transplantados de uma espécie para outra. Células estaminais combinadas com genes antienvelhecimento. Um mundo que parece ficção científica, mas não é. É a medicina regenerativa à procura da longevidade e até da imortalidade. É sobre isso que fala Joaquim Sampaio Cabral. Fundador do Departamento de Bioengenharia no Instituto Superior Técnico (IST) e do Instituto de Bioengenharia e Biociência, colocou desde cedo a engenharia bioquímica ao serviço da medicina. Foi um dos oradores no ciclo "Longevidade: Precisão, Implicações Sociais, Regeneração", uma iniciativa que decorreu nos meses de maio e junho na Culturgest.




O que o levou a dedicar-se à área da medicina regenerativa?

Tenho formação de base em engenharia química, mas estive sempre próximo da área das ciências da vida e da saúde, muito motivado pelos avanços da bioquímica e da biologia de desenvolvimento, sobretudo em torno das células estaminais. Por volta do ano 2000, criei uma área de investigação e de ensino em terapias celulares e medicina regenerativa no Instituto Superior Técnico. Em 2007, chegámos a ter um projeto com o IPO (Instituto Português de Oncologia) de Lisboa e com o Centro de Histocompatibilidade do Sul. Utilizávamos as designadas células estaminais mesenquimatosas, que têm excelentes propriedades imunomoduladoras e anti-inflamatórias, na chamada doença do enxerto contra o hospedeiro – ocorre quando há uma complicação após um transplante de medula e as células do dador atacam as do tecido do transplantado. As tais células estaminais são obtidas a partir da medula do dador, mas também podem ser extraídas do cordão umbilical ou da placenta – considerados resíduos hospitalares. Num recém-nascido, o número de células estaminais mesenquimatosas é muito superior ao que existe num adulto. Ou seja, num bebé, há uma célula deste tipo em cada dez mil células de medula óssea; numa pessoa com 80 anos, essa proporção é de uma em dois milhões.

 

Devemos então preservar o cordão umbilical e a placenta?

As empresas ou bancos públicos geralmente guardam o sangue, mas para tratar a doença do enxerto contra o hospedeiro é preferível usar a matriz, ou seja, o próprio cordão. Existem alguns constrangimentos neste tratamento, uma vez que é necessário um milhão de células por quilo de paciente. Ou seja, se a pessoa pesar 70 quilos, precisa de 70 milhões de células. E geralmente são aplicadas duas infusões. Para gerar essa quantidade, fazemos aquilo que se designa por expansão, ou seja, produzimos "ex vivo" as células, em biorreatores, e vamos multiplicando até termos a dose necessária para o tratamento.

 

Já não realizam esse procedimento?

Uma vez que o número de células (produto celular) necessárias para um dado tratamento é obtido "ex vivo", é considerado um ATMP (Advanced Therapy Medicinal Product – Produto Medicinal de Terapia Avançada) e por isso tem de estar devidamente enquadrado na legislação europeia e portuguesa, e a legislação portuguesa é mais restritiva. Por exemplo, para libertarmos esse produto celular, é-nos exigido – e bem – um diretor de qualidade em permanência, e esse diretor tem de ser um especialista farmacêutico. Em Espanha, por exemplo, pode ser um biólogo. Enquanto instituto académico, temos uma missão de ensino, investigação, inovação e até de transferência de tecnologia, mas não temos uma missão de produção, pelo que não contrataríamos um diretor de qualidade para a manufatura de um produto. Contudo, apoiamos a criação de startups que fizeram esse percurso (de produção de células estaminais) ou que o estão a fazer.

Negócios Premium
Conteúdo exclusivo para assinantes
Já é assinante? Inicie a sessão
Assine e aceda sem limites, no pc e no smartphone
  • Conteúdos exclusivos com melhor da informação económica nacional e internacional;
  • Acesso sem limites, até três dispositivos diferentes, a todos os conteúdos do site e app Negócios, sem publicidade intrusiva;
  • Newsletters exclusivas;
  • Versão ePaper, do jornal no dia anterior;
  • Acesso privilegiado a eventos do Negócios;
Ver comentários
Saber mais Envelhecimento imortalidade longevidade medicina saúde células estaminais cancro IST IPO iBET Culturgest medula startups Crioestaminal Cambridge Aubrey de Grey gerociência dieta stresse Stanford Harvard Stephen Hawking doenças ADN SNS Estados Unidos
Outras Notícias
Mais notícias Negócios Premium
+ Negócios Premium
Capa do Jornal
Informação de qualidade tem valor. Invista. Assine já 1mês / 1€