Weekend O retiro do Ferrari 0816

O retiro do Ferrari 0816

Num dos mais espectaculares leilões de automóveis de colecção dos últimos anos, um raro Ferrari 275 P esteve para licitação, mas foi retirado e, ao mesmo tempo, atingiram-se preços de venda que comprovam o aquecimento do mercado.
O retiro do Ferrari 0816
José Vegar 17 de fevereiro de 2018 às 09:00
"Oh là là", mas estes franceses são decididamente espectaculares, e não há como eles para criar emoção, suspense e, acima de tudo, "trop" de drama. O acontecimento foi um dos mais esperados leilões do ano no tema dos automóveis clássicos. O leilão anual "Retromobile", organizado pela Artcurial, é sempre um "must" para os investidores e para os emocionais coleccionadores.

A Artcurial consegue reunir sempre um catálogo de exemplares de fina flor, mas para este ano tinha uma pérola rara. Na licitação, ia estar o Ferrari 275 P, com o chassis 0816. Este carro da Ferrari tem uma folha de registo verdadeiramente fabulosa, já que além de ser um dos poucos da classe concebidos pela "scuderia", foi também o vencedor da edição de 1964 de Le Mans. O carro pertencia à colecção de Pierre Bardinon, uma das mais distintas e invejadas pelo mundo, mas os herdeiros estão agora em processo de venda, e decidiram começar pelo 0816.

A notícia correu mundo, claro, e anunciava-se uma enorme excitação em Paris, mas, à beira do leilão, aconteceu o golpe de teatro. Alegando um conflito insanável, os herdeiros Bardinon tiraram o carro da licitação. O mundo da informação de carros de colecção ferve neste momento com a especulação. Há os que defendem que a verdade oficial corresponde à realidade, e que os conflitos entre herdeiros existem, e os que garantem que a família teve uma oferta secreta absolutamente irrecusável. Qualquer que seja o cenário, o mistério está lançado.

Se a localização do 0816 entrar no território do desconhecido nos próximos meses, a lenda será escrita e comentada. Apesar do sério desaire do abandono do 0816, o "Retromobile" voltou a ser um êxito, com um valor final total das licitações de 31 milhões e 815 mil euros. A peça mais cara foi um Ferrari FXX de 2006, que foi vendido por 2 milhões e 614 mil euros.

O leilão importa para os investidores e coleccionadores por várias razões, e é por demais aconselhável descarregar o minucioso catálogo e relatório de venda que a leiloeira disponibiliza gratuitamente no seu local virtual. A primeira razão para uma análise exaustiva do leilão é a de que o mercado continua extremamente quente. Os preços por exemplar atingidos são verdadeiramente interessantes, com várias peças a ultrapassarem tranquilamente os 500 mil euros. A outra razão é a de que este aquecimento nas valorizações está a entusiasmar a procura.

No "Retromobile", aparecerem notáveis carros da Ferrari, da Porsche e da Mercedes, os que mais interessam ao mercado, mas também peças de enorme raridade e valor. No capítulo dos antigos, surgiram vários Delage, Horch e Bentley, e, na classe de 1956 a 1965, Citroën e Rolls-Royce, também entre outros. Em conclusão, o mercado conseguiu sobreviver com alegria ao retiro do 0816.


Nota ao leitor: Os bens culturais, também classificados como bens de paixão, deixaram de ser um investimento de elite, e a designação inclui hoje uma panóplia gigantesca de temas, que vão dos mais tradicionais, como a arte ou os automóveis clássicos, a outros totalmente contemporâneos, como são os têxteis, o mobiliário de design ou a moda. Ao mesmo tempo, os bens culturais são activos acessíveis e disputados em mercados globais extremamente competitivos. Semanalmente, o Negócios irá revelar algumas das histórias fascinantes relacionadas com estes mercados, partilhando assim, de forma independente, a informação mais preciosa.





pub