Weekend Patrícia Gaspar: O fogo posto não é muito expressivo face aos comportamentos negligentes
Conteúdo exclusivo para Assinantes Se já é assinante, faça LOGIN

Patrícia Gaspar: O fogo posto não é muito expressivo face aos comportamentos negligentes

Patrícia Gaspar está nos quadros da Proteção Civil há 19 anos. Já teve várias funções na estrutura. Agora é 2º Comandante Operacional Nacional. Filha de um contra-almirante, integrou ela própria a Marinha depois de ser ter formado em Relações Internacionais. Foi espia no Serviço de Informações Estratégicas e de Defesa Militar, onde esteve envolvida na autodeterminação de Timor-Leste. Habituada aos bastidores, passou para o foco mediático nos incêndios de 2017, altura em que foi o rosto da Proteção Civil. Uma experiência que “não teve nada de bom”. Mas “houve lições aprendidas”, garante.
Patrícia Gaspar: O fogo posto não é muito expressivo face aos comportamentos negligentes
Vítor Mota

Ser filha de um contra-almirante fê-la crescer com um regime militar em casa? O seu pai, Álvaro Gaspar, era austero?

Conteúdo exclusivo para Assinantes Negócios Premium
Assine e aceda sem limites, no pc e no smartphone Assinar por 1€ por 1 mês



Notícias só para Assinantes
Análise, informação independente e rigorosa..
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia.
Notícias e conteúdos exclusivos no website e aplicações móveis
Newsletter diária exclusiva para assinantes
Acesso ao epaper a partir das 23:00
Saiba mais
pub

Marketing Automation certified by E-GOI