Conjuntura Consumo “per capita” em Portugal está entre os mais baixos da Zona Euro

Consumo “per capita” em Portugal está entre os mais baixos da Zona Euro

O consumo “per capita” em Portugal continua 18% abaixo da média da União Europeia. E é um dos mais baixos entre os membros que partilham o euro.
Consumo “per capita” em Portugal está entre os mais baixos da Zona Euro
Reuters

Portugal está entre os países com um nível de consumo "per capita" mais baixo entre os congéneres europeus. Segundo os dados divulgados esta terça-feira, 13 de Junho, pelo Eurostat, o consumo por pessoa, é de 82 pontos (medidos por uma unidade artificial de padrão de poder de compra), ou seja 18% abaixo da média da União Europeia. Um valor que corresponde a uma estabilização, uma vez que em 2015 também se encontrava neste nível.

Entre os 28 Estados-membros, apenas 10 superam a média, numa lista liderada pelo Luxemburgo, 32% acima, e pela Alemanha, 22% acima da média. Do lado oposto da tabela estão Bulgária e Croácia, 47% e 41% abaixo da média.

 

Entre os países da Zona Euro, a média do consumo "per capita" ascende a 105 pontos, com Portugal a ser o sétimo país com uma média mais baixa (23% abaixo). Entre os 19 Estados-membros do euro é a Letónia que tem o valor mais baixo (38% abaixo da média da região).

 

Este indicador do consumo inclui os bens comprados pelas famílias mas também os disponibilizados pelo Estado, como a Saúde e a Educação, e acompanha o nível de rendimento "per capita" – Portugal, criando menos riqueza, também consome menos.

 

O indicador usado pelo Eurostat para medir o consumo "per capita" leva em conta o nível global de consumo nos países, independentemente de quem o financia (famílias ou Estado) e de quem consome (famílias, Estado, organizações). 

 

Analisando o PIB per capita, Portugal mantém os níveis de 2015, estando 23% abaixo da média, com o Luxemburgo a estar 167% acima e a Irlanda 77% acima. 




A sua opinião16
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 13.06.2017

Muitos dos excedentários de carreira consumem muito acima da média, tal como os corruptos e os compadres que também capturaram o Estado e pilharam a economia e a sociedade portuguesas e não fazem outra coisa senão rebentar com a bolsa a quem ande a contar tostões para criar uma empresa startup, registar uma patente ou internacionalizar um negócio. Tudo tem um custo de oportunidade. Portugal é insolvente e indigente entre os seus pares e não vai a lado nenhum por causa disso. Essa gente tem nome, são sindicalistas, lóbis burocráticos e corporativos, e capitalistas de compadrio, todos sem excepção avessos aos mercados. Querem manipular e extorquir de modo a criar a sua própria realidade. Essa realidade é um país que não descola da cauda da UE e já faliu 3 vezes desde o fim do Estado Novo, também ele uma força preponderantemente anti-mercado até pelo menos à segunda metade da década de 1960. Erro que custou muito caro e que começou a ser assumido muito tardiamente de forma apática.

comentários mais recentes
Anónimo 14.06.2017

Que artigo tão cheio de nada.

00SEVEN 13.06.2017

As pessoas deviam saber que esta euforia dos tipos que estão no governo e embandeiram com arco e balão nas marchas populares a cantarem que está tudo uma maravilha não passa de uma utopia e de uma fantasia para se manterem no poleiro!
O problema é que o país está falido porque tudo piorou com a piolhosa geringonça e o plafom dos cartões de crédito está a esgotar-se.
Os bancos que se cuidem e ganhem juízo na concessão de crédito pessoal porque isto vai de cana não tarda nada!
NÃO HÁ DINHEIRO NOS BOLSOS DOS PATEGOS MAS ELES PEDEM EMPRÉSTIMOS PARA IREM DE FÉRIAS!
ALLGARVE HERE I GO!

Anónimo 13.06.2017

Para entender a crise de equidade e sustentabilidade que tem afectado as economias desenvolvidas e posto territórios como os de Portugal e Grécia nas más bocas do mundo, é fundamental perceber que para uns serem excedentários ou pagos acima do preço de mercado, outros têm que pagar mais caro quando consomem bens e serviços, pagar mais taxa de imposto quando são tributados, obter menor retorno sobre o investimento quando investem, poupar menos quando aforram...

QUADRAS POPULARES 13.06.2017

EXCEDENTARIO acabou o corte
Tenho à espera a minha prima Dora
Hoje é o teu dia de sorte
Pois tenho que me ir embora
MAS A SAGA CONTINUA LOGO !

ver mais comentários
pub